Ataques suicidas no Paquistão matam ao menos 37

Dois ataques suicidas mataram nesta quinta-feira pelo menos 37 pessoas no Paquistão, onde a violência de militantes aumentou desde o cerco militar a uma mesquita radical em Islamabad, no começo do mês. Uma onda de ataques com bombas desde a invasão à Mesquita Vermelha, usada como base por militantes, já matou mais de 160 pessoas no país. Ao menos 30 pessoas foram mortas na quinta-feira quando um carro-bomba, aparentemente tendo como alvo um veículo transportando funcionários chineses envolvidos em mineração, atingiu uma van policial que os acompanhava na cidade de Hub, sul do país. Os funcionários chineses escaparam ilesos, mas os sete policiais na van foram mortos. Além deles, 23 pessoas que passavam pelo local também morreram. Outras sete pessoas foram mortas durante a madrugada, incluindo policiais, em um ataque com carro-bomba na cidade de Hangu. O ataque em Hub, que fica na fronteira das Províncias do Baluchistão e de Sindh, foi o primeiro no sul paquistanês durante a atual onda de violência. O presidente do país, Pervez Musharraf, disse na quarta-feira que não tinha intenção de declarar estado de emergência para conter a violência, e deu garantias de que as eleições programadas para este ano seguirão conforme o planejado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.