Até 80 pessoas são mortas por supostos rebeldes de Uganda no Congo

Supostos rebeldes ugandenses do grupo Forças Aliadas Democráticas-Exército Nacional para a Libertação de Uganda (ADF-NALU, na sigla em inglês) mataram entre 50 e 80 pessoas em ataques perto da cidade de Beni, no leste do Congo, cortando a garganta de muitas de suas vítimas, disseram fontes locais e testemunhas nesta sexta-feira.

REUTERS

21 Novembro 2014 | 18h46

Em um comunicado, a Sociedade Civil de Kivu do Norte, a província onde Beni está situada, declarou que os assassinatos aconteceram na noite de quinta-feira cerca de 10 quilômetros a leste do aeroporto de Beni, onde está baseada a Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo, conhecida como Monusco.

“Já vimos 70 corpos. As autoridades estão procurando por outros corpos”, disse um padre que visitou o local do massacre.

Os agressores vestiam uniformes do Exército congolês e fingiram ser soldados antes da matança, e degolaram muitas vítimas, afirmou o padre, que não se identificar.

As autoridades da República Democrática do Congo e grupos da sociedade civil atribuíram uma série de ataques recentes no leste do país ao ADF, uma organização sigilosa formada nos anos 1990 para combater o governo de Uganda, embora alguns analistas questionem esta avaliação.

(Por Aaron Ross)

Mais conteúdo sobre:
CONGOMORTESREBELDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.