Khaled Abdullah/Reuters
Khaled Abdullah/Reuters

Atentado a bomba contra Ministério da Defesa mata ao menos 52 no Iêmen

Outras 162 pessoas ficaram feridas; foi o episódio mais violento no país desde a saída de Ali Saleh do poder

O Estado de S. Paulo,

05 de dezembro de 2013 | 08h09

SANAA - Pelo menos 52 pessoas morreram e outras 162 ficaram feridas – 9 delas em estado grave – em razão da explosão de um carro-bomba seguida por um tiroteio na frente da sede do Ministério da Defesa do Iêmen, nesta quinta-feira, 5. Militares teriam matado sete dos terroristas responsáveis pelo ataque, um dos piores em Sanaa desde o início dos protestos que levaram o presidente Ali Abdullah Saleh a deixar o poder, em 2012.

Segundo o ministério, o alvo do ataque era o hospital da instituição, e a maioria dos agressores foi morta ou ferida. Ninguém assumiu a autoria do ataque, mas o Iêmen enfrenta uma vigorosa atividade da Al-Qaeda.

Socorristas disseram que a explosão sacudiu o bairro antigo de Sanaa. Houve combates entre soldados e militantes que invadiram o complexo, aparentemente disfarçados com roupas das forças armadas.

Pelo menos duas fontes dentro do ministério disseram que os agressores chegaram em dois veículos. Um deles era guiado por um militante suicida que investiu contra o portão, enquanto homens armados entravam com o segundo carro.

Entre as vítima já identificadas está um parente do presidente iemenita, Abd-Rabbu Mansour Hadi, segundo nota publicada no site do Ministério da Defesa. / REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenterrorismocarro bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.