Turan Bulut/Ihlas News Agency via REUTERS
Turan Bulut/Ihlas News Agency via REUTERS

Atentado a bomba mata 13 policiais na Turquia

Outras 55 pessoas ficaram feridas na explosão que atingiu um ônibus na cidade de Kayseri; Erdogan acusa separatistas curdos

O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2016 | 11h17

ANCARA -  Ao menos 13 soldados morreram e outros 55 ficaram feridos após um carro-bomba atingir, neste sábado,17, um ônibus que transportava militares na cidade de Kayseri, uma semana depois de um bombardeio duplo atingir a polícia em Istambul. O presidente turco, Tayyip Erdogan, atribuiu o atentado a militantes curdos.

A explosão pode enfurecer ainda mais o povo turco frustrado por série de bombardeios letais neste ano, vários deles reivindicados por militantes curdos, incluindo o da semana passada, que matou 44 e feriu mais de 150 pessoas. Não houve reivindicação imediata de responsabilidade.

"O estilo e os objetivos dos ataques mostram claramente que o foco da organização terrorista separatista é a Turquia, cortar sua força e fazer com que ela concentre sua energia e forças em outros lugares", disse Erdogan em comunicado, em referência ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão - o PKK.

"Sabemos que estes ataques que estamos sendo submetidos não são independentes dos desenvolvimentos na nossa região, especialmente no Iraque e na Síria."

Mais cedo, o vice-primeiro-ministro, Veysi Kaynak, já havia comparou o ataque de agora aos atentados duplos próximos ao estádio de futebol do Besiktas, em Istambul, no sábado passado, e reivindicado posteriormente por uma ramificação do militante Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

"O ataque do carro-bomba se assemelha ao ataque do Besiktas em termos de estilo", disse ele a um grupo de jornalistas, acrescentando que o incidente não desviaria a Turquia de seu objetivo de combater a militância. /  REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Istambul Turquia Iraque Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.