Atentado a Instituto Francês em Cabul deixa ao menos um morto

Informações indicam que um homem-bomba teria invadido uma apresentação teatral; número total de feridos é incerto

Andrei Netto, DE PARIS / CORRESPONDENTE, O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2014 | 23h13

PARIS - Um atentado suicida contra um centro cultural francês em Cabul, no Afeganistão, deixou "pelo menos um morto e vários feridos", de acordo com informações oficiais das autoridades locais. O ataque aconteceu por volta das 17h locais – 10h no horário de Brasília –, durante uma apresentação de teatro no Instituto Francês do Afeganistão (IFA), onde também funciona uma escola.

Segundo testemunhas, o atentado foi cometido por um homem-bomba de entre 15 e 17 anos de idade. Os detalhes da ação terrorista ainda eram imprecisos na noite de ontem, segundo o Ministério das Relações Exteriores da França e o Palácio do Eliseu, que acompanham de perto os desdobramentos do atentado. O número de vítimas civis não foi revelada. Conforme o ministro do Interior interino, Mohammad Ayoub Salangi, o ataque deixou "pelo menos um morto e quinze feridos".Até a noite de ontem, nenhum grupo havia reivindicado a autoria do atentado.

Inaugurado em 1970, fechado a partir de 1983 e reaberto em 2010, o IFA é tido como um emblema nacional da França no Afeganistão, um centro cultural de referência e sede da escola Istiqlal, que em tempos de paz formou uma parte da elite cultural afegã. A instituição também serve de abrigo para escritores e artistas de várias áreas de conhecimento. No momento da explosão, atores e público estavam reunidos na apresentação de uma peça de teatro intitulada Heart Beat.

Em nota, o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, condenou o atentado e enviou as condolências às famílias de vítimas, cujos nomes ainda são mantidos em sigilo. "A embaixada da França está mobilizada ao lado das autoridades afegãs para socorrer os feridos. Uma célula de crise foi instalada em Cabul e em Paris", completou o chanceler, que prometeu a punição dos responsáveis. "Toda a luz será lançada sobre este ato bárbaro, seus autores serão identificados e levados à Justiça", garantiu Fabius.

Horas antes, pela manhã, um atentado suicida cometido em Cabul já havia deixado pelo menos seis soldados afegãos mortos. À agência de notícias France Presse, o general Farid Afzali, comandante da polícia local, informou que um homem-bomba havia cometido o ataque. Os talibãs haviam reivindicado a ação.

 

Mais conteúdo sobre:
FrançaAfeganistãoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.