Atentado atrapalha processo de paz na Irlanda do Norte

Atentado atrapalha processo de paz na Irlanda do Norte

Líderes católicos e protestantes da Irlanda do Norte elegeram hoje um novo ministro da Justiça. A medida foi considerada um marco no processo de paz no país. Horas antes, porém, ocorreu um ataque a bomba contra a central de espionagem britânica em Belfast, capital do país. O IRA Autêntico, um grupo dissidente, assumiu a responsabilidade por forçar um motorista de táxi a levar a bomba até a sede de alta segurança da agência antiterrorista MI5 na Irlanda do Norte.

AE-AP, Agência Estado

12 de abril de 2010 | 18h31

A explosão causou poucos danos à base e às casas próximas. Ninguém ficou seriamente ferido. A ação salientou as resistências que serão enfrentadas pelo novo Departamento de Justiça da Irlanda do Norte, particularmente na comunidade minoritária católica que ainda abriga integrantes do IRA.

A agência de espionagem foi o alvo do ataque porque detém a responsabilidade de supervisionar os dissidentes do IRA e cuidar de outras ameaças à segurança nacional. Além disso, são os agentes do MI5 que respondem ao governo britânico em Londres, não o ministro da Justiça em Belfast.

Policiais disseram que a bomba poderia ter matado ou ferido civis, o que não aconteceu graças à bravura do taxista. Ele recebeu ordens de três atiradores dissidentes para deixar a bomba na base e não fazer alarde. Mas a polícia disse que o homem, que não foi publicamente identificado, gritou após parar o carro do lado de fora da entrada do edifício.

Ministério da Justiça

A explosão aconteceu apenas 24 minutos depois da meia-noite, quando os britânicos transferiram o poder ao novo Departamento de Justiça. O ato encerrou 38 anos seguidos de controle britânico sobre o sistema judicial da Irlanda do Norte. Mas a bomba do IRA Autêntico lembrou que, apesar da transferência de autoridade, a Grã-Bretanha mantém os poderes de segurança na Irlanda do Norte.

O vice-primeiro-ministro Martin McGuinness, ex-comandante do IRA e o mais graduado católico no compartilhado governo irlandês, disse hoje que a eleição de um ministro da Justiça após anos de negociações sobre o assunto pode diminuir o terreno no qual os dissidentes podem operar. A bomba "foi colocada do lado de fora do Palácio Barracks, mas o alvo verdadeiro da explosão foi a destruição do processo de paz e as instituições políticas", disse McGuinness à Assembleia da Irlanda do Norte logo após a votação.

David Ford, que lidera o pequeno partido inter-religioso chamado Aliança, foi eleito ministro da Justiça graças ao apoio do Sinn Fein e do principal partido protestante, os Unionistas Democráticos. McGuinness chamou os esporádicos atentados realizados por dissidentes de "perda de tempo, totalmente fútil, porque o cenário político mudou para sempre".

O IRA matou quase 1.800 pessoas durante sua fracassada campanha, entre 1970 e 1997, para separar a Irlanda do Norte do Reino Unido. O grupo proscrito renunciou à violência e se desarmou em 2005 como apoio aos esforços do Sinn Fein de formar uma coalizão com os Unionistas Democráticos. Mas grupos dissidentes do IRA continuam a conspirar para prejudicar o cessar-fogo e o compartilhamento de poder.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.