Atentado com carro-bomba mata 12 no sul do Iêmen

Um carro-bomba, dirigido por um suposto militante da Al-Qaeda, invadiu um edifício usado por milicianos pró-governo no sul do Iêmen, matando 12 pessoas.

Agência Estado

04 de março de 2013 | 14h47

"Um carro-bomba da Al-Qaeda conseguiu chegar ao escritório do Comitê de Resistência Popular em Loder, cujos explosivos foram detonados no portão", disse um membro da milícia que luta contra militantes islamitas juntamente com o Exército. "Doze corpos foram levados até o necrotério", disse um médico do hospital local.

O ataque aconteceu após uma autoridade de segurança ter divulgado que o presidente do país rejeitou uma trégua com a Al-Qaeda. A explosão aconteceu na província Abayan, área que já esteve sob domínio de militantes da Al-Qaeda.

Forças de segurança isolaram a área, temendo um segundo ataque. O braço da Al-Qaeda no Iêmen é considerado o mais perigoso da rede.

A autoridade, que falou em condição de anonimato, disse que o presidente Abed Rabbo Mansour Hadi não esperava a proposta de trégua. Ele enviou seu chefe de inteligência para mediar o fim de meses de confrontos entre forças do Iêmen e militantes islamitas. A fonte revelou que Hadi concordou com em conceder anistia a militantes que renunciassem à violência, mas ficou surpreso com a oferta de uma trégua de dois meses, que ele rejeitou.

O braço da Al-Qaeda no Iêmen postou um comunicado em sites militantes nesta segunda-feira afirmando que o chefe de inteligência iemenita concordara com a trégua. A autoridade de segurança negou o fato. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmencarro-bombaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.