Atentado com carro-bomba no Afeganistão mata ao menos 89

Ataque ocorreu em mercado movimentado no leste do país; a maior parte das vítimas era formada por mulheres e crianças

O Estado de S. Paulo

15 Julho 2014 | 09h26

CABUL - A explosão de um carro-bomba em um movimentado mercado no Afeganistão nesta terça-feira, 15, deixou ao menos 89 mortos e 42 feridos, afirmou a polícia. O atentado ocorreu na província de Paktika, no distrito de Orgun, no leste do país, por volta das 12 horas (horário local).

"A polícia está levando todos os feridos para hospitais", disse o vice-diretor da polícia local, Nissar Ahmad Abdulrahimzai. A maioria dos mortos era mulher ou criança.

O governador de Orgun, Mohammed Reza Kharoti, disse que o mercado estava cheio em razão das compras do Ramadã e da festa de Eid al-Adha, a Festa do Sacrifício, maior festividade para os muçulmanos.

A província atacada fica perto da fronteira com o Paquistão onde o Exército combate o taleban paquistanês nas últimas semanas. O grupo então tem se deslocado para o Afeganistão.

Os atentados suicidas e os artefatos explosivos improvisados (IED, na sigla em inglês), são os métodos mais usados pelos taleban para atacar forças afegãs e internacionais porque costumam causar um grande número de vítimas, principalmente entre civis.

Nesta manhã, a explosão de outra bomba deixou dois funcionários do Palácio Presidencial mortos e sete feridos nos arredores de Cabul.

Cerca de 1,5 mil civis morreram nos seis primeiros meses deste ano no Afeganistão, 17% a mais que o número registrado na primeira metade de 2013, enquanto o número de feridos passa de 3,2 mil.

Os dados em questão revelam uma preocupante situação no Afeganistão, principalmente depois que as forças de segurança locais assumiram a segurança do país no último ano, em paralelo a retirada gradativa da missão da Otan no país asiático (Isaf), que será concluída no fim de 2014. O governo americano já anunciou a permanência de 9.800 soldados até 2016, quando ocorrerá a saída definitiva. /EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão atentado Cabul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.