Atentado contra curdos teve "marca da Al-Qaeda"

Os atentados que mataram hoje pelo menos 56 pessoas e feriram outras 235 no Iraque "tiveram a marca da Al-Qaeda", a organização terrorista de Osama bin Laden, conforme autoridades regionais. Os ataques foram feitos por dois homens-bomba, que se explodiram nas sedes de partidos curdos rivais em Irbil, no norte do Iraque, onde centenas de pessoas comemoravam uma festividade muçulmana. Num intervalo de cinco minutos, os terroristassuicidas entraram nas sedes do Partido Democrático do Curdistão(PDK) e da União Patriótica do Curdistão (UPK) e detonaram osexplosivos que levavam sob a roupa. Foram os maiores atentadosdo pós-guerra naquela região - os dois partidos rivais controlamas províncias dominadas pelos curdos no norte iraquiano.Centenas de pessoas haviam se reunido nas sedes dos doispartidos para comemorar o início da Festividade do Sacrifício (oEid al-Adha), uma das mais importantes para os muçulmanos. Ogovernador de Irbil, Akram Mintik, e o vice-primeiro-ministro daregião, Sami Abdul Raman, estavam na sede do PDK às 10h45(horário local), quando foi cometido o primeiro atentado. Umporta-voz do partido disse que os dois dirigentes saudavam ospresentes quando o camicase se aproximou e detonou osexplosivos. Ele não informou se os dirigentes sobreviveram,limitando-se a dizer que "o atentado causou muitas vítimas", masnão era possível " precisar o número de forma independente".O segundo atentado foi cometido cinco minutos depois doprimeiro, na sede da UPK, no outro extremo da cidade. O suicida agiu da mesma forma. Como ocorreu na sede do PSK, um funcionárionão quis se referir ao número de mortos e feridos, dizendoapenas que foram "numerosos". Fontes da segurança do PDKcomentaram que pelo menos 25 pessoas morreram e mais de 50 foramferidas no ataque ao partido liderado por Massud Barzani. Fontespróximas aos dois partidos falavam em pelo menos 150 vítimas nosdois atentados, mas este número não foi confrimado porautoridades. Nenhum grupo assumiu responsabilidade pelos ataques. Noentanto, um grupo curdo radical, o Ansar al-Islã, atua na regiãoe foi ligado à Al-Qaeda pelos militares dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.