Atentado contra emissora de TV deixa 6 mortos em Bagdá

Segundo informações, ataque foi cometido por um homem-bomba que usava cinto de explosivos

Efe,

26 de julho de 2010 | 06h20

BAGDÁ - Um atentado suicida cometido nesta segunda-feira, 26, contra o escritório da rede de televisão árabe internacional Al Arabiya em Bagdá deixou pelo menos seis mortos e vários feridos, informa a emissora em boletim informativo.

Os mortos são quatro seguranças e dois funcionários, indicou o comunicado, segundo o qual há informações confusas sobre como ocorreu a ação.

Segundo a Al Arabiya, o ataque foi cometido por um homem-bomba que usava um cinto de explosivos e que conseguiu passar pelas barreiras de segurança em volta do escritório.

Mas já de acordo com o general Qasim Atta, porta-voz do Plano de Segurança de Bagdá, o atentado aconteceu pela explosão de um micro-ônibus ao qual os guardas do primeiro posto de controle haviam permitido a passagem.

Embora a emissora tenha cifrado em seis o número de mortos, Atta e fontes do Ministério do Interior consultadas disseram que houve na verdade quatro mortos. Essas fontes iraquianas disseram também que 16 pessoas ficaram feridas.

A Al Arabiya é uma rede de televisão com sede nos Emirados Árabes Unidos, mas financiada pela Arábia Saudita. O correspondente da Al Arabiya em Bagdá disse que a explosão destruiu a sede da emissora na capital iraquiana e incendiou vários veículos e um edifício situado ao lado do escritório, o que dificultou o resgate das vítimas.

Várias ambulâncias chegaram ao local do atentado e as forças de segurança interditaram a área.

Os outros funcionários do escritório foram evacuados pelo temor de um novo ataque contra o prédio.

No mês passado, a direção do Plano de Segurança de Bagdá advertiu sobre a existência de um plano para atentar contra a Al Arabiya e decidiu intensificar as medidas de proteção ao redor do escritório da emissora na capital iraquiana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.