Atentado contra hotel mata pelo menos 40 no Paquistão

Carro-bomba rompe segurança do Hotel Marriott em Islamabad com mil quilos de explosivos; 200 ficam feridos

AP e Reuters,

20 de setembro de 2008 | 11h45

Um atentado causou uma grande explosão do lado de fora do Hotel Marriott na capital paquistanesa, Islamabad, neste sábado, 20. Pelo menos 40 pessoas morreram, informaram oficiais paquistaneses. A rede CNN afirmou que outras 200 ficaram feridas. "Um automóvel fez uma emboscada na entrada do Marriott e até o momento resgatamos 40 corpos, mas o número pode ser maior", afirmou o chefe da polícia, Asghar Raza Gardazi. Segundo ele, o carro levava mais de mil quilos de explosivos.  Veja também:Paquistão não tolerará invasões, diz presidenteAtentados matam pelo menos oito no PaquistãoAssista ao vídeo Gustavo Chacra: Paquistão será pesadelo dos EUA   Vários carros estacionados na rua do hotel de luxo e outras construções estavam em chamas. A televisão local mostrou corpos sendo levados enquanto o incêndio se espalhavam para outras partes do hotel de 290 quartos, localizado próximo ao centro da cidade. A maioria dos estrangeiros que chega a Islamabad costuma se hospedar no Hotel Marriott, cuja segurança foi reforçada depois que o estabelecimento foi atingido por outros ataques no passado. Até agora ninguém se responsabilizou pelo atentado. Forças de segurança iniciaram a evacuação do edifício, mas alguns hóspedes não conseguiam sair por causa das chamas. Ambulâncias e bombeiros foram ao estabelecimento e os feridos estavam sendo levados a diferentes hospitais de Islamabad, nos quais foi decretada situação de emergência. O governo paquistanês decretou estado de alerta máximo em todo o país. A explosão fez cair o teto de uma sala de banquete em que cerca de 200 a 300 pessoas jantavam para quebrar o jejum do mês sagrado do Ramadã. Entre eles, estava Imtiaz Gul, jornalista. "Nós só pensamos em correr para nos proteger. Eu consegui ver um monte de pessoas feridas deitadas no chão em volta de mim", disse Gul.  O Paquistão, aliado americano na guerra contra o terror, enfrenta uma série de atentados nas últimas semanas após iniciar uma ofensiva contra rebeldes em suas fronteiras. No entanto, até então a capital havia ficado de fora da maioria dos ataques.  O incidente aconteceu pouco depois do novo presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, ter feito seu primeiro pronunciamento em uma sessão conjunta do Parlamento. Ele prometeu que o país não tolerará qualquer invasão de seu território em nome da luta contra o terrorismo.   (Matéria atualizada às 22h20) 

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.