Atentado contra mesquita sunita deixa oito mortos em Bagdá

Um carro-bomba que explodiu nesta sexta-feira nas proximidades de uma mesquita sunita em Bagdá deixou ao menos oito mortos, disseram fontes ouvidas pela Associated Press. Horas após o atentado, homens mascarados apareceram no local, atirando aleatoriamente contra a multidão que se juntou ao redor da construção destruída.De acordo com a agência de notícias EFE o número de mortos pode chegar a dez. O carro estava estacionado a cerca de dez metros da mesquita de Iskan al-Shaabi, no bairro de Dora. Eram 13h (horário local) quando um artefato escondido dentro do veículo explodiu, atingindo os religiosos que se encontravam tanto fora quanto dentro da mesquita. Policiais iraquianos isolaram a cena e proibiram os jornalistas de chegar ao templo. Pelo menos seis jipes americanos foram vistos no local."Os terroristas estão tentando criar discórdia entre sunitas e xiitas", disse o sunita Ahmed Hassan, que rezava dentro da mesquita no momento da explosão. "Alguns religiosos estavam deixando a mesquita e outros ainda rezavam quando ouvimos a explosão. Pedaços de vidro voaram para todos os lados e a fumaça invadiu o templo", ele completou. Hassan continua: "Ficamos chocados quando vimos tantos feridos e os carros pegando fogo do lado de fora."Ao menos oito pessoas morreram e 21 ficaram feridas, segundo médicos do Hospital Geral de Yarmouk, para onde as vítimas foram levadas.Momentos após a polícia deixar a cena, vários homens mascarados e armados abordaram as pessoas que estavam no local aos gritos de "Deus é grande". Segundo um fotógrafo da Associated Press que acompanhou a cena, eles abriram fogo aleatoriamente contra a multidão, atingindo ao menos duas pessoas. O fotógrafo não soube dizer se os disparos resultaram em alguma morte.Em um evento paralelo na noite desta quinta-feira, o clérigo sunita Adil Dawoud foi seqüestrado em sua residência no centro de Bagdá por cerca de 15 homens armados vestidos como policiais do Ministério do Interior iraquiano, disseram parentes do religioso. "Três veículos com sirenes de polícia pararam em frente a nossa casa e cerca de 15 homens usando uniformes das forças especiais invadiram a residência dizendo que queriam o Adil", disse o irmão do clérigo. Dawoud voltou recentemente de uma viagem à Jordânia cujo objetivo era evitar ataques de xiitas contra religiosos sunitas.O irmão do clérigo culpou militantes ligados a líderes políticos xiitas pelo seqüestro. Um alto funcionário do Ministério do Interior iraquiano disse que a polícia não está envolvida. Segundo ele, uma investigação já foi instaurada para encontrar o religioso. O atentado contra a mesquita e o seqüestro ocorrem paralelamente às crescentes reclamações entre os iraquianos de origem sunita de que militantes ligados às forças do Ministério do Interior, lideradas por xiitas, estariam encabeçando uma campanha de violência sectária contra os sunitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.