Atentado contra político no Iraque deixa um civil morto

O governador da cidade de Kirkuk, a 250 quilômetros de Bagdá, saiu ileso nesta terça-feira de uma tentativa de assassinato. Mas, um civil morreu e outros 20 ficaram feridos, de acordo com policiais iraquianos. Um suicida detonou um cinto de explosivos perto do carro do governador Abdel Rahman Mustafa. O ataque aconteceu às 9 horas (4 horas em Brasília), quando o político se dirigia a seu trabalho, afirmaram policiais, que acrescentaram que entre os feridos está um de seus guarda-costas. Forças conjuntas americanas e iraquianas detiveram, na noite desta segunda-feira, 14 supostos insurgentes e apreenderam grandes quantidades de armas no sul de Bagdá. As prisões e apreensões aconteceram na mesquita xiita de al-Imame al-Hassan. O governo iraquiano pretende diminuir a violência sectária que abala o país e tem lançado operações para deter os assassinatos cometidos por supostos milicianos que utilizam uniformes da polícia e do exército. Mais mortes Pelo menos quatro pessoas, entre elas um oficial de polícia, morreram e outras 40 ficaram feridas nesta terça-feira na explosão de dois carros-bomba no oeste de Bagdá, informaram fontes policiais iraquianas. O primeiro carro explodiu perto de um grupo de pessoas que estava ao lado do necrotério do hospital de Yarmouk, causando a morte de três civis, disseram as fontes. Quando a polícia chegou ao local da explosão, o segundo carro-bomba foi detonado, matando um policial. A polícia iraquiana indicou que pelo menos 40 pessoas ficaram feridas nas duas explosões, segundo os primeiros dados. Os novos ataques ocorreram um dia depois de as autoridades iraquianas suspenderem o toque de recolher em Bagdá, imposto na quinta-feira após as explosões que ocorreram naquele dia no bairro xiita de Cidade de Sadr, no leste da capital, e deixaram mais de 200 mortos e 250 feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.