Atentado contra rebeldes xiitas mata  ao menos 47 no Iêmen

Atentado contra rebeldes xiitas mata  ao menos 47 no Iêmen

Manifestação contra ingerência americana no país é alvo de homem-bomba em meio a campanha da Al-Qaeda contra a seita

O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2014 | 09h20

 

SANAA - Ao menos 47 pessoas morreram nesta quinta-feira, 9, em um atentado  suicida contra uma manifestação do movimento rebelde xiita Houthi em Sanaa, capital do Iêmen. O terrorista acionou os explosivos que levava junto ao corpo em um posto de segurança na praça Tahrir, onde os xiitas faziam uma manifestação contra a intervenção estrangeira nos assuntos internos do país.

Várias ambulâncias chegaram ao lugar para transportar as vítimas aos hospitais, já que a explosão também deixou várias pessoas feridas.Por enquanto, nenhum grupo reivindicou o atentado, mas a Al-Qaeda protagoniza há semanas uma campanha contra os xiitas e ataques contra o Exército.

O líder do grupo, Abdelmalek al Huti, acusou na noite de quarta-feira noite os Estados Unidos de influir na nomeação do primeiro-ministro iemenita Ahmed ben Mubarak e convocou manifestações para rejeitar sua designação.

Horas depois, Ben Mubarak renunciou ao cargo para proteger a união nacional e evitar as divisões. A renúncia foi aceita pelo presidente do Iêmen, Abdo Rabbo Mansour Hadi.

A escolha de Ben Mubarak pelo presidente correspondia ao acordo de paz assinado em 21 de setembro entre Sana e os rebeldes, que estabelece a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e de um Executivo que inclua ministros houthis.

Os houthis, que controlam a província de Saada desde 2010, têm protagonizado protestos populares e conflitos armados com as forças de segurança desde agosto. Inclusive, chegaram a tomar o controle de vários edifícios governamentais de Sanaa./ EFE

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.