Atentado deixa ao menos 13 mortos no Paquistão

Mais de 10 veículos foram destruídos na explosão de carro-bomba contra um posto policial

EFE

06 de setembro de 2008 | 05h44

Pelo menos 13 pessoas, entre elas seis policiais, morreram neste sábado, 6, devido à explosão de um carro-bomba contra um posto policial nos arredores da cidade paquistanesa de Peshawar, em um atentado reivindicado pelo grupo que reúne os talebans do país.   Segundo uma fonte policial citada pela rede Dawn, cerca de 30 pessoas ficaram feridas e aproximadamente dez veículos foram destruídos pela explosão, que ocorreu na área de Badaber, situada na Província da Fronteira Noroeste.   Um porta-voz do movimento Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP), que cometeu vários ataques nas últimas semanas em diferentes pontos do Paquistão, reivindicou o atentado, segundo a Dawn. O ataque aconteceu enquanto os mais de mil legisladores das câmaras nacionais e regionais paquistaneses votavam para escolher o sucessor de Pervez Musharraf na Presidência do país.   Os feridos estão sendo levados para um hospital da região.   Segundo uma fonte policial citada pela agência estatal APP, um grupo de insurgentes detonou a bomba contra o posto de controle policial, que ficou seriamente danificado. Várias pessoas podem estar sob os escombros, segundo a fonte.   O primeiro-ministro paquistanês, Yousaf Raza Gillani, já condenou o ataque. Peshawar foi alvo de um ataque semelhante em 12 de agosto, quando pelo menos 14 guardas de segurança morreram nos arredores da cidade, devido à explosão de uma bomba junto a um veículo das forças da ordem.   O TTP ameaçou o Governo de continuar os atentados se não fossem interrompidas as operações militares contra os fundamentalistas na Província da Fronteira Noroeste e no adjacente cinturão tribal fronteiriço com o Afeganistão.   O atentado coincide com a realização da eleição presidencial no Paquistão. (Matéria alterada às 8h20, com atualização das informações)    

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.