Atentado deixa três mortos na Argélia

Homem-bomba teria atacado vila na noite de domingo; pelo menos seis pessoas ficaram feridas

Agência Estado e Associated Press,

29 de setembro de 2008 | 08h36

Três pessoas morreram e outras seis ficaram feridas em um atentado em uma vila a leste da capital da Argélia, informou a mídia local nesta segunda-feira, 29. O ataque, aparentemente cometido por um homem-bomba, ocorreu na área de Dellys, na província de Boumerdes, na noite de domingo. Segundo a agência estatal APS, o crime foi realizado durante o Iftar, a refeição que interrompe o jejum diário realizado durante o mês sagrado do Ramadã. Os seis feridos estavam em condições estáveis. As forças de segurança ainda não haviam se pronunciado sobre o fato. Um morador disse que dois soldados, um guarda comunal e o suicida morreram. A fonte falou sob condição de anonimato, pois muitos argelinos temem falar publicamente sobre a violência no país. Os guardas comunais formam uma unidade de cidadãos armados que complementam o trabalho da polícia em áreas rurais. Dois guardas foram executados na semana passada por militantes islâmicos que mantinham um falso posto de controle na montanhosa região de Boumerdes. A região sofre com a violência dos militantes extremistas. Até agora nenhum grupo se responsabilizou pelo atentado. A maioria dos últimos atentados no país foram reivindicados pela Al-Qaeda no Norte da África Islâmico, um grupo militante local que se aliou à rede de Osama bin Laden em 2006. Desde então a violência aumentou bastante no país. Somente em agosto, uma série de atentados, emboscadas e ataques deixou mais de 100 mortos. A Argélia enfrenta a insurgência islâmica desde 1992, quando seu Exército cancelou eleições nacionais para evitar que um partido fundamentalista islâmico obtivesse uma provável vitória. Durante os anos 1990, a violência desse tipo atingiu seu auge no país.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgéliaAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.