Atentado durante cerimônia para irmão de Karzai mata 3 pessoas

Ataque ocorreu em uma mesquita a poucos metros da residência do presidente afegão

Efe

14 de julho de 2011 | 09h15

Soldados afegãos fazem patrulha em área alvo de atentado nesta quinta

 

 

CABUL - Pelo menos três pessoas morreram e 13 ficaram feridas nesta quinta-feira, 14, em um atentado na cidade de Kandahar durante uma cerimônia para o irmão do presidente do Afeganistão, Ahmed Wali Karzai, assassinado na terça-feira, informou uma fonte oficial à Agência Efe.

 

O porta-voz do governador regional, Zalmai Ayubi, explicou que o atentado aconteceu no interior de uma mesquita situada a apenas 100 metros da residência do presidente afegão, Hamid Karzai, em Kandahar.

 

Entre os falecidos está o chefe do Conselho de clérigos de Kandahar, Hekmatulá Hekmat, segundo detalhou a fonte consultada pela Efe, que acrescentou que participavam da cerimônia várias autoridades.

 

A cadeia afegã "Tolo Tv" informou inicialmente, citando fontes oficiais, que cinco pessoas haviam morrido, mas depois rebaixou o número para dois e precisou que a ação foi executada por um terrorista suicida que levava a carga explosiva escondida em seu turbante.

 

Segundo a emissora, também foi registrada hoje uma segunda explosão, esta contra um comboio da Polícia na região de Loya Wiala, nos arredores de Kandahar.

 

O atentado de hoje acontece dois dias depois do assassinato de Wali Karzai, que exercia a chefia do Conselho provincial de Kandahar e era considerado o homem mais poderoso do sul afegão.

 

O movimento taleban assumiu a autoria do ataque que vitimou Karzai e o qualificou como uma de suas "maiores conquistas".

 

Na quarta-feira, dois soldados ficaram feridos em Kandahar pela explosão de duas bombas à passagem de uma comitiva do governador da vizinha província de Helmand, Mohammad Gulab Mangal, quando esta se dirigia ao funeral do irmão do presidente afegão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.