Atentado em escola militar deixa 43 mortos na Argélia

Suicida e homem-bomba deixam pelo menos 38 feridos; nenhum grupo assume autoria do ataque

Reuters e Efe,

19 de agosto de 2008 | 06h38

Pelo menos 43 pessoas morreram e 38 ficaram feridas nesta terça-feira, 19, em um atentado promovido com um suicida e um carro-bomba contra uma escola militar em uma região ao leste da capital da Argélia, informou o Ministério do Interior do país.   Um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial APS indicou que o atentado tinha como objetivo uma escola de treinamento policial em Issers, a 55 quilômetros de Argel. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas, nos últimos meses, a região tem sido alvo de numerosos ataques do braço do Al-Qaeda no norte da África, que tenta estabelecer regras islâmicas nos países da região - importante fornecedora de petróleo bruto e gás à Europa.   A escola fica na estrada nacional RN12, que foi fechada ao tráfego para permitir que os serviços médicos socorram os feridos. Entre as vítimas, estão vários oficiais e também candidatos a serem admitidos na academia, que aguardavam em frente ao centro de ensino militar. Segundo a BBC, há relatos de que um suicida teria dirigido um carro repleto de explosivos até a entrada principal da academia policial e teria detonado os dispositivos ao entrar no local.   A notícia do ataque veio depois da divulgação, pela imprensa argelina, de uma emboscada contra um comboio, no domingo, que teria deixado 11 policiais e soldados mortos em Argel. De acordo com as informações publicadas na mídia, extremistas islâmicos seriam os responsáveis pela emboscada e quatro deles também teriam morrido no ataque.   A província de Boumerdès, vizinha a de Argel, é um dos principais cenários na Argélia dos atentados dos grupos terroristas, que aproveitam os densos maciços florestais do local para fugir das forças de segurança.   Matéria atualizada às 15h20.

Tudo o que sabemos sobre:
Argéliaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.