Atentado em funeral deixa 12 mortos na Chechênia

Pelo menos uma militante suicida detonou explosivos atados a seu corpo durante uma cerimônia religiosa na Chechênia, matando pelo menos 12 pessoas e ferindo dezenas de outras, no segundo atentado de grande porte em três dias nesta república separatista ao sul da Rússia.Uma segunda militante suicida também morreu na explosão, disseram as autoridades russas. No entanto, de acordo com a imprensa local, ela morreu antes de conseguir detonar os explosivos que carregava.O general Ruslan Avtayev, do Ministério de Situações Emergenciais da Rússia, disse à Associated Press que a mulher detonou explosivos atados à sua cintura. Os feridos foram socorridos em hospitais próximos. Equipes de resgate ainda tentavam juntar as partes de corpos mutilados para determinar exatamente quantas pessoas morreram.As informações sobre mortos, no entanto, são contraditórias. Mais cedo, Avtayev afirmara que 30 pessoas teriam morrido no atentado. Pouco depois, ele corrigiu para 12 o número de vítimas confirmadas. Ele disse que estimativas preliminares colocavam em 145 o número de feridos, 20 dos quais em estado grave. Boa parte das vítimas era composta por idosos.Cerca de 10.000 peregrinos muçulmanos participavam de uma cerimônia religiosa em memória de três xeques muito respeitados no Cáucaso. O evento ocorria em Ilaskhan-Yurt, a cerca de 25 quilômetros de Grozny, capital da Chechênia.Segundo a agência de notícias Interfax, o alvo do atentado seria Akhmad Kadyrov, chefe da administração pró-Moscou da Chechênia, que participava da cerimônia. Outras agências russas disseram que Kadyrov escapou ileso, mas dois de seus seguranças ficaram feridos. Milhares de pessoas estavam reunidas para participar da cerimônia religiosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.