Phil Noble/REUTERS
Phil Noble/REUTERS

Atentado em Manchester durante Ano Novo está sendo tratado como terrorismo pela polícia britânica

Ataque a facadas deixou três feridos, dois com ferimentos “muito sérios”, segundo o chefe de polícia da cidade

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 12h47

LONDRES - A polícia britânica afirmou nesta terça-feira, 1º, que um atentado a facadas durante o Ano Novo, ferindo três pessoas em Manchester, na Inglaterra, está sendo tratado como terrorismo.

O chefe de polícia da cidade, Ian Hopkins, disse que duas pessoas sofreram ferimentos “muito sérios” no ataque e permanecem no hospital recebendo tratamento. Um sargento esfaqueado no ombro recebeu alta.

A polícia não identificou ou acusou o suspeito, que foi preso por suspeita de tentativa de homicídio. Uma testemunha disse que ele gritou frases islâmicas durante o ataque.

O incidente aconteceu na estação de trem Victoria, em Manchester, pouco antes das nove horas da noite do horário local durante a véspera de Ano Novo. O local é perto da Arena Manchester, quando uma explosão matou 22 pessoas em um show da cantora Ariana Grande em 2017.

“Eu sei que os eventos da noite passada afetarão muitas pessoas e causam preocupação”, disse Hopkins. “É ainda mais terrível que o episódio tenha sido perto do ataque terrorista de 22 de maio de 2017.”

A primeira-ministra britânica, Theresa May, expressou preocupação pelas vítimas e agradeceu os primeiros socorristas pela “corajosa resposta”.

A polícia diz que não há indicação de outros envolvidos no plano. A investigação está sendo liderada pela polícia de contraterrorismo da Grã-Bretanha.

O assistente do chefe de polícia, Rob Potts, afirmou que o incidente “não está em andamento” e que “não há conhecimento para sugerir que haja uma ameaça maior”.

O nível de ameaça à Grã-Bretanha é classificado como “severo”, indicando que especialistas em inteligência acreditam que um ataque é provável. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.