Hasan Shaaban / Reuters
Hasan Shaaban / Reuters

Atentado em reduto do Hezbollah mata ao menos 43 no Líbano

Dupla explosão atingiu reduto xiita em Beirute; Estado Islâmico reivindicou ataque contra a milícia, que auxilia Assad na Síria

O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2015 | 15h35

(Atualizada às 22h15 )  BEIRUTE -  Um duplo atentado a bomba em um subúrbio xiita de Beirute controlado pelo grupo radical Hezbollah deixou nesta quinta-feira, 12,  ao menos 43 mortos e 200 feridos, informou a Cruz Vermelha Libanesa. 

As duas explosões ocorreram com diferença de minutos no bairro de Burj al-Barajneh, durante o horário de pico do trânsito na capital libanesa. O Estado Islâmico assumiu a autoria do duplo atentado. 

Segundo as redes de TV libanesas, os suicidas foram a pé até as imediações da mesquita xiita Imã Al-Hussein, em Burj al-Barajneh, e ali detonaram as cargas explosivas que levavam presas ao corpo a uma distância de uns cem metros um do outro. 

Os alvos das bombas, segundo a polícia de Beirute, eram um centro comunitário xiita e uma padaria. De acordo com o ministro do Interior, Nouhad Machnouk, um terceiro homem-bomba foi morto pela polícia antes de que conseguisse detonar os explosivos. Os atentados de ontem foram os primeiros em mais de um ano na capital libanesa. 

Ambulâncias e equipes de resgate se dirigiram ao local para prestar auxílio às vítimas. As duas explosões danificaram lojas, carros e paralisaram ruas e avenidas. O Exército libanês adotou um sistema de pontos de controle na entrada do subúrbio xiita e o Hezbollah colocou sua milícia em alerta.

Segundo a imprensa libanesa, o impacto dos atentados poderia ter sido maior, pois parte dos explosivos presos nos corpos dos suicidas não explodiu.

Os ataques acabaram com a relativa calma que prevalecia na capital, apesar da guerra na vizinha Síria. O sul de Beirute é uma área controlada há anos pelo grupo xiita, que tem auxiliado o presidente sírio, Bashar Assad, na luta contra o Estado Islâmico e outros grupos sunitas na Síria.

O bairro de Burj al-Barajneh fica perto de um campo de refugiados palestinos que nos últimos quatro anos tem recebido muitos sírios que fogem da guerra em seu país.

Os atentados ocorreram dois dias antes de conversações em Viena, em meio a um esforço internacional para encontrar uma solução política para o conflito sírio. Também ocorreram em um dia marcado por intensas ofensivas internacionais contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Desde o início da guerra civil na Síria, em 2011, Beirute e outras cidades libanesas têm sido alvo de atentados a bomba e outros ataques lançados por facções rivais sírias. O Hezbollah, uma importante força política no Líbano que é considerado por Israel e os EUA como um grupo terrorista, e o Irã têm dado amplo apoio a Assad. 

Um duplo atentado a bomba lançado no ano passado perto de um centro cultural iraniano em um reduto do Hezbollah deixou cinco mortos e dezenas de feridos. Um grupo ligado à rede Al-Qaeda assumiu a responsabilidade pelo ataque e advertiu que lançaria outros contra o Hezbollah até que o grupo retirasse seus milicianos da Síria. / AP, REUTERS e NYT

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoatentadoHezbollahSíria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.