Atentado mata 35 no Iraque e volta a pôr em risco cronograma de retirada

Pelo menos 35 pessoas morreram e outras 72 ficaram feridas ontem na explosão de um carro-bomba em Shula, bairro xiita de Bagdá. Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque, mas autoridades iraquianas disseram que o estilo do atentado sugere que os autores sejam extremistas sunitas, provavelmente ligados à organização Al-Qaeda no Iraque.A explosão seria uma tentativa de reativar a luta sectária na região no momento em que os EUA preparam a retirada da maior parte de seus soldados de Bagdá. O ataque foi mais um sinal de que a violência pode retornar ao Iraque a qualquer instante. O último grande atentado no Iraque ocorreu três semanas atrás, quando dois carros-bomba explodiram, matando 51 pessoas em Bagdá. Abril foi o mês com mais vítimas desde setembro. Segundo dados oficiais, 355 pessoas morreram em ataques em todo o país. De acordo com promessa de campanha feita pelo presidente dos EUA, Barack Obama, os soldados americanos, responsáveis pela maior parte da segurança no Iraque, devem deixar as principais cidades iraquianas até 2011. Especialistas acreditam que a retirada dos americanos será um teste para a capacidade das forças de segurança iraquianas, mas o aumento da violência no Iraque está pondo em risco o cronograma estabelecido pela Casa Branca.

AP, NYT E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.