Atentado mata 8 e deixa 35 feridos no Paquistão

Uma explosão hoje, aparentemente tendo como alvo as forças de segurança do Paquistão, atingiu um movimentado mercado no noroeste do país, no Vale do Swat, matando pelo menos oito pessoas. O médico Lal Noor, chefe do Hospital Saidu Sharif, em Mingora, disse que pelo menos 35 pessoas estavam feridas.

AE-AP, Agencia Estado

22 de fevereiro de 2010 | 13h27

O atentado foi confirmado por funcionários locais e também por testemunhas. O ataque na capital distrital de Mingora foi o mais recente na região ao longo da fronteira com o Afeganistão, onde os militares realizam ofensivas contra militantes do Taleban. Os rebeldes têm reagido, geralmente com bombas caseiras.

O chefe de polícia do Swat, Mohammad Idrees, disse que o material encontrado no local do ataque sugere que houve um atentado suicida. A testemunha Rahim Gul afirmou que a explosão ocorreu no momento em que dois veículos passavam, transportando forças de segurança do Paquistão. Segundo Gul, aparentemente os veículos não foram danificados.

Os militares paquistaneses lançaram uma grande ofensiva no montanhoso Vale do Swat, no começo do ano passado, após acordos de paz com o Taleban fracassarem e os militantes tomarem posições na região. Os militares retomaram o Swat no meio de 2009, mas ainda há violência esporádica na área.

A ofensiva no Swat foi elogiada pelos Estados Unidos, que têm insistido para que o Paquistão faça mais para combater os militantes no instável cinturão tribal ao longo da fronteira afegã. Em seguida, o Paquistão realizou uma ofensiva no Waziristão do Sul.

Nos últimos meses, o Taleban tem se enfraquecido, graças a uma campanha de ataques aéreos realizados pela CIA com aviões não-tripulados, na região fronteiriça. Essas ações mataram alguns altos líderes do grupo. Este mês, o Paquistão também prendeu três líderes importantes do Taleban, incluindo o número 2 na organização, o mulá Abdul Ghani Baradar.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoatentadomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.