Arshad Arbab/ Efe
Arshad Arbab/ Efe

Atentado mata 9 membros de uma mesma família no Paquistão

Alvo de ataque era líder de milícia tribal aliada do governo na luta contra o Taleban

O Estado de S. Paulo,

12 de fevereiro de 2014 | 09h03

ISLAMABAD - Um membro de uma milícia tribal pró-governo morreu junto com oito parentes em um ataque lançado na madrugada desta quarta-feira por cerca de 20 pessoas na cidade de Peshawar, no noroeste do Paquistão. O incidente aconteceu por volta das 3h locais (20h de Brasília da terça-feira) no bairro de Badaber quando "entre 20 e 25" pessoas lançaram granadas e depois abriram fogo contra os ocupantes de uma casa e mataram todos, inclusive mulheres e crianças.

Segundo um agente da polícia local, Hassan Ahmed Khan, a residência pertencia a um membro dos chamados comitês de paz, milícias tribais alinhadas com as autoridades na luta contra a insurgência fundamentalista. Nenhum dos responsáveis pelo atentado foi detido pelas forças de segurança.

O ataque não foi reivindicado por nenhum grupo, mas suas características quanto ao número de pessoas envolvidas e o alvo escolhido levam a crer que a insurgência taleban esteja envolvida. O Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP, conhecido como Taleban paquistanês), a maior organização insurgente, iniciou na semana passada um processo formal de diálogo com o governo, mas sem interromper suas ações violentas.

Na última semana, Peshawar foi cenário de um grande aumento da atividade armada, que habitualmente já é intensa, e quase 40 pessoas morreram em diversos atentados contra cinemas, equipes de vacinação contra a pólio e a minoria xiita.

De acordo com um relatório do Instituto Paquistanês de Estudos de Paz, o país sofreu no ano passado mais de 1,7 mil atentados terroristas - 61% deles cometidos pelo TTP e seus aliados -, nos quais morreram cerca de 2,5 mil pessoas, um número 19% maior do que em 2012. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.