Reuters
Reuters

Atentado mata ao menos sete em base dos EUA no Afeganistão

Funcionários afegãos morrem em ação no lado de fora do prédio um dia após Taleban atacar prédios do governo

Agências internacionais,

13 de maio de 2009 | 08h42

Pelo menos sete pessoas morreram e outras 21 ficaram feridas em um ataque suicida taleban perpetrado nesta quarta-feira, 13, em frente à maior base americana do Afeganistão, no leste do país. O atentado foi realizado um dia após insurgentes atacarem prédios do governo afegão na cidade de Krost, nas proximidades da base de Camp Salerno.

 

Veja também:

Troca de comando dos EUA muda a guerra no Afeganistão

Lapouge: EUA usarão a estratégia do inimigo 

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

O agressor detonou a carga explosiva a bordo de um veículo com o qual se deslocou até a entrada da base. Segundo Bashary, sete trabalhadores afegãos da base morreram no ataque. Entre os feridos há 18 civis e três membros afegãos da equipe de segurança de Camp Salerno. Khost é uma das províncias com maior atividade dos taleban, mais presentes nas regiões do país onde predomina a etnia pashtun (sul e leste).

 

O porta-voz taleban Zabiullah Mujahid disse por telefone que o ataque matou 36 afegãos e soldados dos EUA, e que foi obra de um dos insurgentes que atacaram na véspera um prédio oficial em Khost e enfrentaram as forças de segurança.

 

Na terça-feira, pelo menos 11 militantes do Taleban armados com fuzis e explosivos lançaram ontem ataques contra dois prédios do governo na Província de Khost, perto da fronteira com o Paquistão. A ofensiva deixou 20 mortos (incluindo 9 civis e policiais) e só foi debelada depois de sete horas de combates de rua, com uma contraofensiva de forças americanas e afegãs.

 

A nova onda de ataques ocorre em um momento de mudança nos planos de Washington para vencer a guerra no Afeganistão. Em março, o presidente Barack Obama oficializou o nome do general Karl Eikenberry como novo embaixador dos EUA em Cabul. Eikenberry substituiu William Braucher Wood, nomeado por George W. Bush.

 

No início da semana, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, anunciou a saída de David McKiernan do comando de operações no Afeganistão. Em seu lugar, assumiu Stanley McChrystal. Os motivos do afastamento até agora não foram revelados. Especula-se que sua defesa de um aumento de tropas superior aos 21 mil novos soldados prometidos por Obama tenha desgastado sua relação com o novo governo.

 

Uma série de ataques semelhante à de ontem ocorreu em Khost em agosto, quando dez militantes tentaram invadir a base americana de Camp Salerno, uma das principais dos EUA no Afeganistão. Em janeiro, ataques coordenados do Taleban atingiram o Ministério da Justiça em Cabul.

 

Nos últimos meses, porém, ataques de militantes islâmicos têm se tornado mais complexos e sofisticados. Segundo analistas, a evolução é resultado do intercâmbio entre insurgentes afegãos, militantes paquistaneses e membros da Al-Qaeda.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUAOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.