Atentado mata presidente da Chechênia

Um atentado a bomba atingiu, na madrugada deste domingo, o estádio Dínamo em Grozny, capital chechena. Segundo informações ainda não confirmadas pelo governo checheno, o presidente da província apoiado pelo Kremlin, Ahmad Kadirov, 52, teria morrido no atentado. A explosão aconteceu às 10h35 hora local (03h35 no horário de Brasília) em decorrência de uma mina terrestre colocada embaixo da tribuna de honra do estádio, onde se realizava uma cerimônia que comemorava o Dia da Vitória russa sobre a Alemanha nazista na II Guerra Mundial. Pelo menos outras dez pessoas morreram, entre elas o comandante militar russo do norte do Cáucaso, general Valery Baranov, e perto de cem ficaram feridas. Uma segunda mina, não detonada, foi encontrada próxima à tribuna de honra. Uma emissora de televisão russa registrou o momento da explosão e o pânico que tomou conta das pessoas. Os separatistas chechenos, que lutam pela independência da região há mais de uma década, não assumiram a autoria do atentado, mas autoridades russas estão certas do envolvimento do grupo. Em Moscou, onde uma parada na Praça Vermelha marcou as comemorações do Dia da Vitória, o presidente Vladimir Putin declarou que "a justiça será feita e a retribuição se fará inevitável". Em 2002, na mesma data comemorativa, uma bomba explodiu no porto de Kaspiisk, no Mar Cáspio, matando 43 pessoas, entre elas 12 crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.