Atentado na Caxemira deixa pelo menos 33 mortos

Pelo menos 33 pessoas morreram e dez ficaram feridas na Caxemira - região de conflitos disputada por Índia e Paquistão - depois que um ônibus que transportava soldados indianos e seus familiares explodiu ao passar sobre uma mina terrestre. O artefato teria sido colocado pelo grupo rebelde Hizbul Mujahideen, baseado no Paquistão e que assumiu a autoria da explosão. O ataque - entre Srinagar e Jammu, no Estado de Jammu-Caxemira - ocorreu um dia depois de o primeiro-ministro indiano Manmohan Singh tomar posse. Foi o pior atentado ocorrido na Caxemira desde o ano passado, quando os dois países deram início a um processo de paz para resolver a disputa pelo território. "A persistência da violência em Jammu e na Caxemira indica que o terrorismo continua sendo uma grave ameaça a nossa nação", disse o primeiro-ministro indiano Manmohan Singh. "Enquanto continuamos buscando soluções pacíficas, continua nossa firme determinação de enfrentar o terrorismo", completou. A agência de notícias estatal APP, do Paquistão, informou que o presidente Pervez Musharraf, em telefonema hoje a Singh, reiterou o desejo de paz e de continuação do diálogo para resolver todos os problemas, incluindo o da Caxemira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.