Bate Felix Tabi/Reuters
Bate Felix Tabi/Reuters

Atentado suicida mata ao menos 50 pessoas na Nigéria

Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque, mas as autoridades o atribuíram ao Boko Haram

O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2017 | 08h56
Atualizado 21 Novembro 2017 | 18h29

BAUCHI, NIGÉRIA -  ]Ao menos 50 pessoas morreram nesta terça-feira, 21,  em um atentado suicida atribuído ao grupo jihadista Boko Haram. A explosão ocorreu durante as orações da manhã na mesquita da cidade de Mubi, cidade na fronteira com Camarões e cerca de 200 km ao norte da capital do Estado de Adamawa, Yola.

Segundo o porta-voz da polícia estadual, Othman Abubakar, o homem-bomba se misturou aos fiéis para entrar na mesquita e ativou os explosivos durante as orações.

Os feridos, cujo número não revelado, foram transferidos para os hospitais da região. Nenhum grupo havia reivindicado a autoria do atentado até a noite de ontem, mas ele tem a marca do grupo Boko Haram, que tem executado ataques suicidas na região.

As ações do grupo extremista nos últimos oito anos deixaram pelo menos 20 mil mortos e forçaram 2,6 milhões de pessoas a deixar suas casas no nordeste da Nigéria.

"Não suspeitamos de uma pessoa em particular, mas sabemos quem está por trás desses ataques”, comentou Abubakar, sem citar o grupo extremista islâmico.

 

+++ Na Nigéria, as meninas-bomba que sobreviveram 

“O Estado de Adamawa, muito afetado pela violência no auge da insurreição em 2014-2015, registrou um progressivo e frágil retorno à calma na comparação com o Estado vizinho de Borno, epicentro do conflito.

Mas os ataques extremistas foram retomados nas últimas semanas nesta região que fica na fronteira com Camarões, onde o Boko Haram tem vários acampamentos.

Este foi o atentado mais mortífero realizado na região desde a emboscada de julho contra um comboio transportando membros de uma missão de prospecção petrolífera em Borno, que deixou 70 mortos.

+++ Número de mortes por terrorismo cai no mundo pelo segundo ano consecutivo

Abubakar Sule, que vive perto da mesquita, disse que acabava de voltar para casa quando ouviu a explosão. “Ajudei nas operações de socorro. O telhado desabou. As pessoas que estavam perto da mesquita disseram que o homem-bomba, que estava entre os fiéis, acionou seus explosivos durante as orações”, afirmou. 

Iraque

Ainda ontem, ao menos 32 pessoas morreram e mais de 80 ficaram feridas em um atentado com carro-bomba em Tuz Khormatu, cidade ao norte de Bagdá. 

A caminhonete, conduzida por um suicida, explodiu em um mercado de frutas e legumes localizado no centro da cidade em uma hora de grande movimento. Mais de 80 pessoas foram feridas, 20 gravemente, disse o médico Mohammed Kamal, do hospital geral de Tuz Khormatu. Entre os feridos estão seis membros das forças de segurança.

Logo depois do ataque, um toque de recolher foi decretado na cidade. Até ontem, nenhum grupo assumiu a autoria do ataque, mas todos os indícios apontam para uma ação do Estado Islâmico (EI).

 

+++ Conheça a estratégia do site de propaganda jihadista do Estado Islâmico

Dias atrás, as forças iraquianas retomaram do EI a disputada cidade de Kirkuk – após o controvertido referendo sobre independência da região curda – e a última localidade que ainda controlavam no país, Tuz Khormatu, cidade de 150 mil habitantes onde vivem turcomanos, curdos e árabes, que foi palco de uma onda de violência durante a retomada, pelas forças iraquianas, das áreas disputadas com os curdos em outubro.

Há tempos, a situação é de grande tensão entre curdos e turcomanos. /AFP e EFE

Mais conteúdo sobre:
Nigéria [África] Boko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.