Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Atentado no Líbano deixa três mortos e 20 feridos, diz polícia

A polícia libanesa reduziu nesta terça-feira a apenas três o número de mortos no atentado a dois microônibus nos arredores de Beirute, frente às 12 vítimas fatais que haviam sido contabilizadas pouco antes pela Agência Nacional de Notícias.Os mortos são dois libaneses e um egípcio, disseram fontes policiais que pediram o anonimato e acrescentaram que o número de feridos chega a 20. A Cruz Vermelha também divulgou apenas três mortos no incidente.As vítimas do atentado em uma zona cristã do Líbano participariam na quarta-feira dos atos de repúdio ao assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, ocorrido em 14 de fevereiro de2005.Segundo o ministro de Telecomunicações, Marwan Hamadeh, os dois microônibus destruídos por bombas tinham sido alugados para levar a Beirute participantes das manifestações previstas para amanhã.A ministra de Assuntos Sociais, Nayla Moawad, vinculou o atentado com os atos pelo aniversário da morte do ex-premier.O assassinato de Hariri marcou o início de uma profunda divisão no país entre os que acusavam a Síria de estar por trás do atentado, representados pelo governo de Fouad Siniora, e os opositores, entre os quais se situam o grupo xiita Hezbollah e o presidente cristão Émile Lahoud.O ex-presidente cristão Amin Gemayel, aliado de Siniora e pai do ministro da Indústria assassinado em novembro, pediu nesta terça-feira calma para que o país não se envolva em novas lutas fratricidas."As vítimas, independentemente de pertencerem ao 14 de Março ou ao 8 de Março (em alusão aos dois blocos pró e antigoverno), são libaneses", disse Gemayel, que lembrou também que o único modo de superar esta tragédia será a criação de um tribunal internacional para julgar o assassinato de Hariri."Nosso país enfrenta grande complô", disse o ministro do Interior, Hassan al-Sabaa, em declarações à rádio A voz do Líbano, sem determinar quem estaria por trás deste complô.Imagens mostram um ônibus destruído com destroços espalhados pela estrada e serviços de emergência socorrendo os sobreviventes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.