Atentado perto da casa de Sharon mata pelo menos dez

Um atacante suicida provocou uma grande explosão num café repleto de pessoas nas proximidades da residência oficial do primeiro-ministro Ariel Sharon em Jerusalém. A televisão divulgou que pelo menos dez pessoas morreram e outras 54 ficaram feridas. Num telefonema à tevê libanesa Al Manar, as Brigadas Al Aqsa, uma milícia vinculada ao movimento Fatah, do líder palestino Yasser Arafat, assumiu responsabilidade pelo atentado.A explosão ocorreu cerca de duas horas depois que três militantes das Brigadas Al Aqsa abriram fogo contra pedestres numa calçada na cidade costeira israelense de Netanya, ferindo pelo menos 38 pessoas antes de serem mortos pela polícia.No atentado em Jerusalém, um atacante suicida entrou no café "Moment" no luxuoso bairro de Rehavia, cerca de 100 metros da residência oficial de Sharon, e detonou explosivos atados ao corpo ou que carregava numa sacola. Havia cerca de 50 pessoas dentro do café no momento do ataque. "Foi uma tremenda explosão, parecia atômica", afirmou um cliente, que se identificou apenas como Eran. Pessoas gritavam por todos os lados. "Nunca vi nada parecido em minha vida", acrescentou. O chefe de polícia de Jerusalém, Mickey Levy, disse que a explosão foi "muito, muito séria".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.