Atentado perto de mesquita mata 39 no Irã

Dupla explosão ocorre às vésperas de dia de celebração religiosa; incidente deixa mais de 50 feridos

Associated Press e Reuters

15 de dezembro de 2010 | 08h27

Atualizado às 13h30

 

Imagens da Press TV mostram correria após as explosões.

 

TEERÃ - Um duplo atentado perto de uma mesquita no sudeste do Irã deixou 39 mortos nesta quarta-feira, 15, informou a agência estatal de notícias, Irna.

 

Fariborz Ayati, da perícia, disse à agência que há homens e mulheres entre as vítimas. Um funcionário do Crescente Vermelho, Mahmoud Mozafar, disse que havia mais de 50 feridos.

 

O ataque ocorreu na cidade portuária de Chahbahar, perto da fronteira com o Paquistão. As bombas tiveram como alvo um grupo de fiéis que participava de uma cerimônia um dia antes da Ashura, o dia em que é lembrado o martírio do imã Hussein, neto do profeta Maomé e um dos mais adorados nomes para os muçulmanos xiitas.

 

De acordo com a televisão estatal, a primeira explosão ocorreu do lado de fora da mesquita, enquanto a outra bomba foi detonada em meio à multidão.

 

O Irã tem sido alvo de uma série de explosões nos últimos meses, inclusive em um ataque em uma base de treinamento militar em outubro, quando morreram e ficaram feridos vários homens que serviam o Exército.

 

Existem grupos armados nos país que se opõem ao regime de Mahmoud Ahmadinejad. Entre eles estão os curdos do noroeste, as milícias baluchis do sudeste e grupos árabes do sudoeste.

 

Um dos grupos que atuam na área do ataque é o Jundollah - Exército de Deus -, que já realizou diversos atentados, inclusive contra a poderosa Guarda Revolucionáriado país. O grupo, porém, não assumiu a autoria do ataque, embora o uso de vários explosivos é uma tática comumente usada.

 

O Jundollah é um grupo radical sunita que justifica seus ataques afirmando que sua etnia, minoria no Irã, é amplamente discriminada pelos xiitas, maior parte da população iraniana.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãatentadomesquitamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.