The Egyptian Presidency/Handout via REUTERS
The Egyptian Presidency/Handout via REUTERS

Atentado reivindicado pelo EI mata ao menos 18 pessoas no Sinai

Ministério do Interior do Egito informou que vários policiais morreram na emboscada que ocorreu em uma estrada do norte da península

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 13h45

Pelo menos 18 policiais egípcios morreram nesta segunda-feira,11, após uma explosão em uma patrulha das forças de segurança ao oeste da cidade da Al-Arish, no norte da Península do Sinai. Dois oficiais estão entre as vítimas do atentado. Quatro corpos já foram identificados.

Os terroristas explodiram um artefato quando os policiais estavam passando e depois abriram fogo contra eles. 

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria do ataque e afirmou que matou oito agentes.

A agência de notícias Amaq, ligada aos jihadistas, divulgou no aplicativo Telegram um breve comunicado no qual indicou que quatro veículos blindados também foram destruídos no atentado.

O Ministério do Interior do Egito informou que vários policiais morreram na emboscada que ocorreu em uma estrada do norte da Península do Sinai. Um carro explodiu em meio a um comboio de veículos das forças de segurança, que estavam fazendo uma operação em uma região desértica.

Após a explosão, que danificou vários veículos da polícia, homens armados que estavam escondidos à margem da estrada disparam o comboio. O ministério não especificou o número de vítimas.

As forças de segurança egípcias são alvo frequente de ataques por parte de milícias radicais no norte da Península do Sinai. A filial do EI no país mantém sua base na região, mas também promoveu atentados em outras áreas, não só contra soldados. Outro alvo dos jihadistas é a minoria cristã copta. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Egito [Ásia] Estado Islâmico terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.