Atentado revive ameaça que NY tentava esquecer

Por muito tempo, grupos terroristas pelo globo têm detonado carros carregados com explosivos em mercados lotados, praças públicas e prédios governamentais. De 1970 a 2007 foram pelo menos 1.495 ataques, principalmente no Oriente Médio e no norte da África. Desde o 11 de Setembro, porém, autoridades e habitantes de Nova York inquietam-se com a pergunta: Por que não aqui?

Análise: Ray Rivera, O Estado de S.Paulo

04 Maio 2010 | 00h00

Esse tipo de ataque, muito mais simples que o sequestro de um avião, poderia ter um efeito desestabilizador sobre a cidade e seus habitantes. Na noite de sábado, a ameaça materializou-se, com o carro-bomba na Times Square. A bomba foi desarmada antes de explodir. Para muitos, porém, ela indica que é questão de tempo até que um ataque atinja a capital econômica dos EUA.

No passado, carros-bombas já aterrorizaram os americanos. Em 1995, 168 pessoas morreram numa explosão em Oklahoma. Em um ataque contra o World Trade Center, em 1993, seis morreram e centenas ficaram feridas. Desde 2001 tal modalidade de ataque parecia ter se restringido às ruas de Bagdá e Cabul. Agora, a ameaça voltou aos EUA.

É REPÓRTER DO JORNAL "THE NEW YORK TIMES"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.