Atentado suicida causa morte de 15 civis no norte do Afeganistão

Segundo autoridades afegãs. crianças e mulheres estão entre as vítimas do ataque

O Estado de S. Paulo,

18 de março de 2014 | 12h21

Policiais examinam cena do ataque. Foto: Reuters

CABUL - Pelo menos 15 civis, entre eles várias crianças e mulheres, morreram e outros 39 ficaram feridos nesta terça-feira, 18, em um atentado suicida em um mercado da cidade de Meymaneh, no norte do Afeganistão, informou à Agência Efe uma fonte oficial.

O suicida explodiu nesta manhã as bombas que levava em um "rickshaw" - veículo de três rodas -, em um movimentado mercado de Meymaneh, capital da província de Faryab, disse o governador adjunto provincial, Abdul Sattar Barez.

"Há mulheres e crianças entre as vítimas. Mas não podemos precisar o número exato neste momento", acrescentou a fonte.

Sattar disse que vários dos feridos se encontram em estado crítico e foram transferidos para um hospital.

Os atentados suicidas são, junto com os artefatos explosivos improvisados (IED, sigla em inglês), os métodos mais recorrentes do Taleban para atacar as forças afegãs e internacionais, mas que, na prática, acabam causando um alto número de vítimas civis.

Segundo um relatório recente da ONU, a guerra do Afeganistão se tornou mais violenta para os civis em 2013, quando causou quase 3 mil mortes e 5,7 mil pessoas ficaram feridas, sendo que 34% do total foram atingidos pela explosão de artefatos improvisados (962 mortos e 1.928 feridos).

O conflito afegão se encontra em um de seus momentos mais violentos desde a invasão dos EUA, que propiciou a queda do regime talibã há 12 anos. O país asiático vai realizar eleições presidenciais no próximo dia 5 de abril.

Este ano é o último com a presença de tropas da Otan no Afeganistão, de acordo com um calendário de retirada gradual que será concluído em dezembro, quando as forças locais assumirão a segurança em todo o território do país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.