Atentado suicida deixa três mortos no Afeganistão

Três pessoas morreram e pelo menos 12 ficaram feridas em um atentado suicida cometido neste domingo contra o governador de Kandahar, no sul do Afeganistão, Absadullah Khalid, que saiu ileso do ataque, informaram fontes governamentais. Khalid estava indo para seu escritório, no centro de Kandahar, quando o terrorista detonou a bomba a cem metros de seu carro.Khalid é um jovem político que iniciou sua carreira lutando contra o Exército soviético durante a invasão do Afeganistão. Na guerra civil ele foi comandante mujahedin (guerrilheiro). Antes de assumir o governo de Kandahar, há um ano e meio, Khalid foi governador da província de Ghazni, no sul do país.Durante os últimos meses os talebans aumentaram suas atividades no Afeganistão com ataques suicidas e incursões contra o Exército Nacional Afegão e a coalizão liderada pelos EUA.A esta situação se soma um descontentamento crescente da população que ficou patente durante os distúrbios ocorridos em Cabul segunda-feira em conseqüência de um acidente onde um veículo militar dos EUA e vários carros afegãos estiveram envolvidos.OrigensO taleban é um movimento religioso que se propunha a instalar a lei islâmica no Afeganistão, composto por jovens treinados em escolas religiosas islâmicas rurais, surgidas ao longo da década de 1980. Estas escolas haviam sido berço de militantes que lutaram contra a ocupação soviética no país. Em persa, talib significa "estudante". Taleban, no plural, significa "os estudantes". A maioria dos talebans é da seita sunita e de etnia patane, predominante no leste e no sul do Afeganistão.Em 27 de setembro de 1996, sete anos depois da retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, as milícias talebans conquistam Cabul. Uma vez no poder, restabeleceram a ordem no país, impondo um severo regime islâmico.Em outubro de 1999, o Conselho de Segurança da ONU exortou o taleban a entregar Osama bin Laden, líder da organização terrorista Al-Qaeda ("A base"), apontado pelo governo americano como mentor dos atentados contra as embaixadas dos Estados Unidos no Quênia e na Tanzânia em 1998. Após ser expulso do Sudão, em 1996, bin Laden passou a viver no Afeganistão.Logo após os atentados de 11 de setembro, os Estados Unidos obtiveram informações de que os terroristas estavam ligados a Osama bin Laden. O Afeganistão, que o abriga bem como à sua organização, a Al-Qaeda, recusou-se a entregá-lo à justiça norte-americana. Em conseqüência disto, os Estados Unidos classificaram o Afeganistão como um estado que abriga terroristas. Em retaliação ao atentado terrorista, os Estados Unidos lançaram uma ofensiva militar contra o Afeganistão. O alvo norte-americano são o regime taleban e as bases de treinamento de terroristas no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.