EFE/Jawad Jalali
EFE/Jawad Jalali

Ataque suicida do Taleban no Afeganistão deixa 28 mortos e mais de 300 feridos

Tropas afegãs trocaram tiros com insurgentes após explosão; alvos eram os serviços de inteligência do país

O Estado de S. Paulo

19 Abril 2016 | 08h36

CABUL - Pelo menos 28 pessoas morreram e outras 327 ficaram feridas nesta terça-feira, 19, em um atentado suicida cometido por insurgentes taleban em uma zona de alta segurança em Cabul, capital do Afeganistão, onde ocorreu uma troca de tiros entre tropas afegãs e insurgentes após a explosão, informaram fontes oficiais.

A maior parte dos mortos "são civis, incluindo mulheres e crianças" e dos 327 feridos, apenas 180 permanecem hospitalizados, segundo o chefe da polícia de Cabul, Abdul Rahman Rahimi, em entrevista coletiva.

Segundo Rahimi, participaram do ataque dois insurgentes. Um deles morreu ao detonar os explosivos que estavam em um pequeno caminhão, enquanto o segundo morreu meia hora depois ao ser atingido por disparos das forças de segurança.

O veículo explodiu em um estacionamento onde há oficinas de reparos de veículos, que estão localizadas ao lado das instalações de uma unidade das forças de segurança encarregada da proteção de oficiais de alta categoria, explicou o chefe policial.

O ataque aconteceu às 8h55 (1h25 de Brasília), informou o chefe do Departamento de Emergências do Ministério do Interior afegão, Homayoon Aini, que disse que os alvos dos insurgentes eram os serviços de inteligência do Afeganistão, o Diretório Nacional de Segurança (NDS, sigla em inglês) do país, responsável por proteger ministros do governo e autoridades.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, não confirmou um número de vítimas, ao revelar em comunicado que "vários compatriotas" haviam morrido ou ficado feridos no atentado em Cabul. Ele também criticou os ataques “nos termos mais fortes possíveis”.

O porta-voz dos taleban, Zabiullah Mujahid, reivindicou por meio do Twitter a autoria do ataque com explosivos e revelou que, após a explosão, um número indeterminado de insurgentes conseguiu entrar nos edifícios dos serviços de inteligência.

Em outro comunicado, o porta-voz taleban revelou que os explosivos estavam em um "caminhão" e afirmou que "a maior parte do escritório (do NDS) foi destruída e muitos de seus funcionários morreram ou ficaram feridos".

Na semana passada, os insurgentes anunciaram o início da ofensiva de primavera (hemisfério norte), o que representa um aumento de seus ataques. Em resposta, o governo afegão apresentou um plano de cinco anos para combater os taleban.

A insurgência liderada pelo Taleban afegão ganhou força desde a retirada da maioria das tropas de combate internacionais no final de 2014. Acredita-se que a facção islâmica está mais forte do que em qualquer momento desde que foi expulsa do poder por forças apoiadas pelos EUA em 2001. /EFE e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.