Atentado suicida mata 27 e fere 80 no Sri Lanka

Um atentado cometido por um homem-bomba em um escritório lotado de um partido oposicionista no Sri Lanka deixou pelo menos 27 mortos e 80 pessoas feridas. Entre os mortos estavam o general da reserva Janaka Perera e sua mulher. O ataque foi contra uma das sedes do Partido Unido Nacional, na cidade de Anuradhapura, norte do país. A informação foi divulgada pelo porta-voz militar Udaya Nanayakkara.O atentado ocorre em meio à luta entre o grupo Exército de Libertação dos Tigres do Tamil Eelan (LTTE) e as tropas do governo pelo controle da capital administrativa dos rebeldes, na cidade de Kilinochchi, também no norte.Nanayakkara afirmou que o suicida era um rebelde do LTTE, que aparentemente queria matar Perera por suas vitórias contra os separatistas enquanto estava na ativa. O ataque ocorreu às 8h45 locais, quando o partido fazia uma reunião para marcar a abertura da novo escritório. O jornalista Rashmi Mohamed também estava entre as vítimas fatais.Um site ligado aos rebeldes afirmou que o suicida "se abraçou ao ex-comandante" antes de se explodir. O site lembrou que Perera teve papel fundamental na retirada dos tâmeis de vilas no norte do país, em 1984, para ali se estabelecerem cingaleses étnicos.Perera era considerado um herói nacional, por suas seguidas batalhas contra o LTTE. Ele também teve importante papel para conter o avanço da guerrilha em 2000, na península de Jaffna, berço cultural da minoria tâmil.Mas o militar da reserva também era um crítico do presidente Mahinda Rajapaksa e tornou-se, nos últimos meses, um líder do Partido Unido Nacional. Em agosto, ele conseguiu uma cadeira na assembléia provincial do centro-norte.A sigla acusa o governo de não ouvir os repetidos apelos por uma melhor segurança para Perera. "O governo deve tomar inteira responsabilidade", disse o membro do partido Tissa Attanayake. "Eles não deram a ele segurança adequada por razões políticas."Bombardeio - Horas antes, um bombardeio deixou dois civis mortos e um ferido em outra vila perto de Anuradhapura. O LTTE, considerado terrorista por Estados Unidos e União Européia, já realizou mais de 240 atentados suicidas contra alvos militares, políticos e do setor econômico.O LTTE luta desde 1983 pelo estabelecimento de um Estado independente para a minoria tâmil, que enfrenta discriminação dos governos controlados pela maioria cingalesa. Mais de 70 mil pessoas morreram por causa dessa luta. Segundo o governo, confrontos ontem deixaram 14 rebeldes e um soldado mortos, no norte do Sri Lanka.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.