AFP
AFP

Atentado suicida mata 6 pessoas na Nigéria

Militante do Boko Haram explodiu uma bomba próximo a uma estação de ônibus; presidente francês François Hollande propõe reunião para pensar em ações de combate ao grupo

O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2015 | 09h52

DAMATURU, NIGÉRIA - Pelo menos seis pessoas morreram em um atentado suicida realizado na manhã desta terça-feira, 25, em uma estação de ônibus por uma suposta militante do grupo islamita radical Boko Haram na cidade de Damaturu, capital do estado de Yobe, no nordeste da Nigéria.

“Uma jovem chegou por volta das 7h (horário local, 3h em Brasília) e quis entrar na estação. Não foi autorizada a entrar porque não quis se submeter aos controles de segurança na entrada”, contou a testemunha Sani Dankamasho. “Depois ela deixou o local e pegou um táxi. Quando o veículo se aproximou, a menina ativou os explosivos”, disse.

Os primeiros testemunhos recolhidos no terreno apontaram que a terrorista suicida aparentava ter apenas 14 anos de idade, segundo o periódico Daily Trust.

Além dos seis mortos, pelo menos 40 pessoas ficaram feridas, algumas "em estado grave”, e é possível que o número aumente, explicou um morador da região.

Trata-se do quarto atentado suicida em Damaturu em pouco mais de um mês. Em julho houve outros três ataques que deixaram pelo menos 36 mortos.

Neste ano, os ataques do Boko Haram na Nigéria, Chade, Camarões e Níger mataram mais de 2,3 mil pessoas, apesar da crescente pressão militar dos países da região do lago Chade.

Há meses os quatro países, mais Benin, estabelecem os últimos detalhes de uma força multinacional com base em N'djamena (Chade) que contará com 8,7 mil soldados. Ela deveria ter sido desdobrada no final de julho, mas diferenças de última hora entre as cúpulas militares impediram seu início.

Espera-se que nas próximas semanas esta força, que contará com bases secundárias no nordeste da Nigéria e no norte de Camarões, possa começar um desdobramento muito aguardaddo e com o respaldo da União Africana e das Nações Unidas.

Mais de 1.000 pessoas morreram desde que o presidente Muhammadu Buhari foi eleito em março com a promessa de aniquilar os militantes, que já mataram mais de 20 mil pessoas. Aproximadamente 2 milhões foram expulsas de suas casas.

Estratégia. A França vai propor aos países que lutam contra o Boko Haram uma reunião em Paris para pensar em ações de combate ao grupo, anunciou hoje o presidente francês François Hollande.

“Em poucos dias, receberei o novo presidente nigeriano Muhammadu Buhari e confirmarei que a França está disposta a reunir todos aqueles que lutam contra o Boko Haram” com o objetivo de compartilhar “nossas informações” e “atuar de forma comum” na região, disse Hollande.

“Todos os países da região estão preocupados. Devemos solidariedade a eles, porque são amigos e porque o equilíbrio de toda a África ocidental depende deles”, acrescentou. /EFE, AFP e ASSOCIATED PRESS

Tudo o que sabemos sobre:
atentadosuicídioBoko HaramNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.