Atentado terrorista no Iêmen mata oito pessoas

Al-Qaeda é suspeita do atentado com carro-bomba que matou seis turistas espanhóis

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h15

Um atentado terrorista no Iêmen, nesta segunda-feira, 2, matou oito pessoas, incluindo seis turistas espanhóis e dois Iemenitas, e deixou outros sete espanhóis feriados. Segundo as autoridades locais, o ataque pode ter sido realizado pela Al-Qaeda. Segundo policiais, um carro-bomba atingiu um comboio de 20 carros que estavam a cerca de 100 metros do templo histórico Mahram Belques, na província de Mareb. Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado. As vítimas faziam parte de um grupo de 14 turistas espanhóis que visitavam uma área turística na província de Maareb, a cerca de 190 quilômetros de Sana, a capital do país, disseram fontes policiais. A explosão ocorreu a cerca de 100 metros do histórico Templo de Mahram Bilqis, que tem três milênios de antiguidade. O Ministério de Relações Exteriores da Espanha confirmou que os sete mortos são espanhóis. Os feridos foram levados a um hospital em Mareb, mas devem seguir para um hospital da capital. Até o momento, nenhum grupo assumiu a autoria do atentado. As autoridades locais em Maareb, contudo, apontaram a rede terrorista Al-Qaeda. Fontes da segurança do país disseram que o ataque terrorista aconteceu depois de um comunicado do grupo que exigia a libertação de alguns de seus membros presos no Iêmen e alertar para ações não especificadas. As fontes de segurança disseram que a Al-Qaeda também exigiu que o Iêmen reconsidere sua cooperação com Washington. O Iêmen juntou-se à guerra contra o terrorismo liderada pelos Estados Unidos após os ataques de 11 de setembro de 2001, e tem lutado contra militantes islâmicos há anos. O governo já frustrou dois ataques suicidas a instalações de gás e petróleo em 2006, dias depois de a Al-Qaeda ter pedido a muçulmanos que atingissem interesses ocidentais. O braço da Al-Qaeda no Iêmen assumiu a responsabilidade pelos ataques frustrados e prometeu realizar outros no país. Matéria ampliada às 14h25.

Mais conteúdo sobre:
Iêmen Al-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.