Al Youm/Reuters
Al Youm/Reuters

Atentado triplo em universidade do Cairo mata general da polícia egípcia

Um civil também morreu no atentado, que aumenta o temor de violência pré-eleitoral no país

O Estado de S. Paulo,

02 de abril de 2014 | 09h21

CAIRO - Três bombas explodiram nesta quarta-feira no lado de fora do campus de engenharia da Universidade do Cairo, no Egito. Segundo as autoridades de segurança, pelo menos duas pessoas morreram - um policial e um civil - e sete ficaram feridos, incluindo cinco soldados. Entre as vítimas está um general da polícia egípcia.

As primeiras duas bombas estavam escondidas ao pé de uma árvore e foram disparadas com um minuto de intervalo. A terceira explosão ocorreu duas horas depois, mas não teve um impacto tão grande quanto as anteriores. Segundo a TV estatal egípcia, os artefatos eram de fabricação caseira.

"Eu estava esperando o ônibus quando ouvi duas explosões. Havia muita poeira no ar e gritos dos policiais", disse uma testemunha, Sakta Mostafa.

A polícia de choque do Egito rotineiramente faz rondas na região da universidade na tentativa de antecipar protestos dos estudantes que apoiam o presidente deposto Mohammed Morsi. A instituição é considerada um dos redutos de apoiadores de Morsi. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMohamed Morsi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.