Atentados com carros-bomba matam 51 pessoas no Iraque

Pelo menos 51 pessoas morreram e 86 ficaram feridas, várias delas gravemente, neste sábado em três atentados com carros-bomba no centro de Bagdá, de acordo com o Ministério do Interior iraquiano.Dois carros carregados com explosivos foram detonados simultaneamente num mercado do bairro de Al-Sadreya. O terceiro explodiu a cerca de 1.500 metros de distância na região de Al-Wazba. Nas explosões, treze carros particulares foram totalmente destruídos. Os atentados acontecem no mesmo dia em que tropas norte-americanas iniciaram uma ofensiva militar contra insurgentes sunitas na cidade de Baquba, a 60 quilômetros ao norte de Bagdá. Pelo menos 36 suspeitos já foram presos. Ainda neste sábado, a polícia encontrou 44 corpos com sinais de tortura em vários bairros de Bagdá. A TV iraquiana informou também que um miliciano da Al-Qaida foi morto e outros 43 foram presos, entre eles, dois estrangeiros. Na província de Diyala, cinco civis morreram e cinco ficaram feridos após uma troca de tiros entre povoações vizinhas. Na sexta-feira, um soldado norte-americano foi morto na província de Anbar. Com essa morte, sobe para 2.887, o número de militares americanos mortos desde a ocupação do Iraque em março de 2003. Suspeita de ato terroristaJá no sul de Bagdá, na província de Waset, cerca de 18 pessoas morreram e oito ficaram feridas após serem atropeladas por um caminhão em alta velocidade em um ponto de ônibus. Entre as vítimas, há mulheres e crianças. O motorista do caminhão teve ferimentos leves e tentou fugir, mas foi detido por testemunhas. Os policiais querem saber se o caso pode ser considerado apenas um acidente ou se trata-se de uma ato relacionado ao terrorismo pois não foi encontrado no caminhão nenhum problema mecânico aparente que possa ter provocado o acidente. A província é cenário de freqüentes atentados e ataques de tropas dos Estados Unidos contra grupos de insurgentes.Matéria atualizada às 15h45

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.