PETER MUHLY / AFP
PETER MUHLY / AFP

Atentados de 11 de Setembro: depois de um ano e meio, julgamento de cinco acusados é retomado

Processo foi interrompido por questões ligadas à covid-19; entre os réus está Khalid Sheikh Muhammad, apontado como o autor intelectual dos atentados de 2001

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 08h00

GUANTÁNAMO, Cuba — Um tribunal militar da base americana de Guantánamo retomou nesta terça-feira o julgamento de cinco pessoas acusadas de participação nos ataques de 11 de setembro de 2001, orquestrados pela rede terrorista Al-Qaeda

A reportagem do Estadão passou quatro dias na base naval da baía de Guantánamo em julho, e acompanhou as sessões da comissão militar que analisa o caso de um dos acusados, Majid Khan

Ali, é raro achar presos que foram acusados formalmente por um crime. Mais difícil ainda que um julgamento chegue ao fim. Cerca de 780 passaram pelo presídio. A maioria foi transferida para outros países ainda nos governos Bush e Obama. Trump autorizou a saída de apenas um detento.

Entre os acusados está Khalid Sheikh Mohammed, apontado como o autor intelectual dos atentados que deixaram 2.977 mortos em Nova York, Washington e Shanksville, na Pensilvânia.

O processo havia sido paralisado por 18 meses por causa das restrições ligadas à covid-19, mas a sessão durou apenas duas horas e meia, sendo suspensa por questões processuais ligadas à indicação do novo juiz do caso, o coronel da Força Aérea Matthew McCall.

A expectativa é de que os trabalhos sejam retomados já nesta quarta-feira, mas não há previsão para um veredito.

Além de Khalid, compareceram ao tribunal Amar al-Baluchi, apontado como responsável por operações financeiras antes dos ataques, Walid bin Atash, que ajudou Khalid no planejamento, Ramzi bin al-Shibh, que atuava na chamada “célula de Hamburgo” da Al-Qaeda, e Mustafa al-Hawsawi, também responsável pela movimentação de dinheiro. 

Todos podem ser condenados à morte caso sejam considerados culpados. O processo começou há nove anos, mas sofreu diversos atrasos por questionamentos relacionados à obtenção de provas enquanto eles estavam sob poder das autoridades americanas, alegadamente sob violência.

'O vento mudou de direção': Livro dá voz às vítimas invisíveis da 'guerra ao terror' no Afeganistão, Iraque e Paquistão

Criada pouco depois do início da chamada Guerra ao Terror, a prisão de Guantánamo foi usada para abrigar acusados de terrorismo e de associação ao terrorismo, e serviu de cenário para graves violações dos direitos humanos, em especial tortura durante os interrogatórios, autorizada pelo então governo de George W. Bush (2001-2009).

O presidente Barack Obama (2009-2017) chegou a prometer fechar a instalação, mas seu sucessor, Donald Trump (2017-2021) decidiu mantê-la aberta. Em fevereiro, Joe Biden anunciou estudos para fechar a prisão até o final de seu mandato.

Ao longo das últimas duas décadas, cerca de 800 pessoas passaram por Guantánamo, mas o local abriga hoje 39 pessoas, incluindo os cinco réus hoje em julgamento. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.