Atentados de Bangcoc podem voltar a ocorrer

O primeiro-ministro interino da Tailândia,o general Surayud Chulanont, destacou nesta quinta-feira a seriedade da ameaça de novos atentados similares aos cometidos em Bangcoc na véspera do Ano Novo, que mataram três pessoas e feriram 38.Chulanont, que apoiou a versão da Junta Militar de que os atentados foram cometidos por "oficiais renegados" do Exército e da Polícia, afirmou em discurso na Assembléia Nacional que "durantealgum tempo ocorrerão ações como estas".Em 31 de dezembro de 2006 ocorreram oito explosões em diferentes pontos da capital, onde as medidas de segurança foram reforçadas."Pedimos ao público que colabore com as forças de segurança",afirmou o general Pronthep Treppratheep, primeiro-secretário do primeiro-ministro, após anunciar que o Governo deu a ordem de mobilizar em Bangcoc patrulhas de soldados armados.Embora não tenham ocorrido detenções, as autoridades militares indicaram que existe a suspeita de que os autores dos atentadosestejam vinculados ao setor político afastado do poder após o golpe de Estado cometido em 19 de setembro."As pesquisas dão 90% de peso a assuntos políticos, e aqui há várias pessoas de um grupo político que podem fazer essas coisas", disse à imprensa o ministro da Defesa, o general Boonrod Somtat.Em carta manuscrita enviada na terça-feira à imprensa, o ex-primeiro-ministro tailandês, Thaksin Shinawatra, que estava em Pequim, negou qualquer vínculo com os atentados.As embaixadas de Estados Unidos, Austrália e Reino Unido fizeram recomendações a seus cidadãos para que adotem precauções durante sua estada na capital tailandesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.