Atentados deixam três mortos e 42 feridos na Tailândia

Uma série de atentados perpetrados durante a chegada de 2007 em Bangcoc e na cidade de Chiang Mai deixaram pelo menos três mortos e 42 feridos na Tailândia, entre eles vários estrangeiros.Os explosivos atingiram espaços públicos da capital tailandesa em duas ondas, uma na tarde do último domingo e outra após as doze badaladas que iniciaram 2007.As três vítimas mortais são dos atentados realizados na tarde de domingo, 31 de dezembro, e todas são tailandesas. Entretanto, em Bangcoc, onde foram registrados 38 feridos, há pelo menos seis estrangeiros (britânicos, sérvios e húngaros).Seis explosões aconteceram em um pequeno espaço de tempo por volta das 9h de Brasília do último domingo no Victory Monument, perto de um templo chinês em Klong Toey, em dois postos da polícia - em Sikhumvit e em Nonthaburi -, próximo de um shopping de Seacon Square e no supermercado Tesco.A segunda onda de ataques começou com uma explosão no restaurante Best Seafood, episódio no qual dois britânicos aparecem entre os feridos.Os outros estrangeiros atingidos pelos ataques estavam no Central World Praça, no centro de Bangcoc, local no qual ia acontecer uma festa de Ano Novo, que acabou cancelada pelos primeiros atentados.Um testemunha disse à agência de notícias EFE que uma bomba explodiu à meia-noite e que outra foi detonada cinco minutos depois (hora local). Além disso, afirmou que muitos feridos foram levados para hospitais em táxis.Entre 0h05 e 1 hora (hora local), a polícia desativou uma bomba em Khao San Road, uma área do centro da Tailândia próxima do Grande Palácio que muitos hotéis e outra em Lumpini Night Bazaar, um mercado noturno muito movimentado.Uma última explosão aconteceu na manhã desta segunda-feira em uma mesquita de Chiang Mai, que fica a cerca de 600 quilômetros Bangcoc (ao norte), e que deixou quatro feridos, todos eles de nacionalidade tailandesa.Os ataques foram realizados com explosivos do tipo C-4, com detonadores digitais e com granadas, informou uma investigação preliminar."Baseado na informação do governo e dos serviços de inteligência, esta foi uma ação de pessoas que perderam o poder, mas não posso dizer com clareza que grupo é o autor", declarou o primeiro-ministro interino tailandês, o general Surayud Chulanont, na saída de uma reunião de emergência realizada na manhã desta segunda em Bangcoc."Queriam conseguir um impacto político e fazer com que os tailandeses tivessem a impressão de instabilidade política", acrescentou Chulanont.Bangcoc nunca tinha sido atingida por um atentado, apesar das ameaças feitas pela rebelião islâmica cuja violência nas províncias de Narathiwat, Yala e Pattani deixou mais de 1.900 mortos desde que reapareceu, em janeiro de 2004.Os militares deram um golpe de estado na Tailândia no dia 19 de setembro para expulsar o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra.O golpe de estado causou mal-estar entre setores militares próximos a Shinawatra, que durante seu mandato levou para os altos postos das Forças Armadas pessoas ligadas a seu antigo partido, o Thai Rak Thai.Um porta-voz deste grupo negou nesta segunda qualquer participação do Thai Rak Thai nos ataques. Nenhuma organização ou grupo armado reivindicou a autoria dos atentados até agora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.