Atentados em bairros xiitas de Bagdá matam pelo menos 65 no Iraque

Funeral em Sadr City foi alvo de carro-bomba; violência sectária tem aumentado no país

O Estado de S. Paulo,

21 de setembro de 2013 | 16h05

Um homem-bomba detonou um carro em um funeral e um segundo fez-se explodir em um bairro de xiitas em Bagdá neste sábado. Os dois atentados fizeram pelo menos 65 vítimas.

O atentado ao funeral ocorreu ao anoitecer no bairro de Sadr City, de maioria xiita, no nordeste de Bagdá. O homem-bomba conseguiu conduzir o carro até a tenda onde ocorria o funeral antes de detonar o carro e explodir-se em seguida. A polícia local informou que pelo menos 54 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas.

O ataque ocorreu horas depois de um atentado contra uma delegacia de polícia na cidade de Beiji, que matou sete policiais e feriu outros 21. Os estragos só não foram maiores porque a maioria dos agentes da unidade estavam em operação fora da cidade.

Durante um outro ataque ocorrido mais cedo no mesmo dia, homens armados atiraram e mataram dois guardas prisionais depois de invadir a casa dos oficiais em um vilarejo perto da cidade de Mosul. Também em Mosul, dois soldados foram mortos e outros quatro ficaram feridos quando uma bomba atingiu seu comboio.

Os atentados são os últimos de uma onda de violência que se espalhou pelo Iraque no último mês. O número de vítimas foi confirmado por médicos locais. Nenhum grupo terrorista assumiu qualquer responsabilidade pelos atentados até agora.

Civis xiitas e forças de segurança são alvo frequente dos atentados arquitetados pelo braço iraquiano da Al-Qaeda. A tentativa da facção é desfazer a confiança que o povo iraquiano tem no governo liderado pelos xiitas em Bagdá.

Mais de 4 mil pessoas foram mortas entre abril e agosto de 2013, segundo estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com a contagem da agência de notícias Associated Press,o número de mortos já passa dos 400 só no mês de setembro. /AP

Mais conteúdo sobre:
Iraqueataquesmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.