Sana/AP
Sana/AP

Atentados em Homs mataram ao menos 100, diz grupo opositor sírio

Ataques com carros-bomba ocorreram na terça-feira e foi reivindicado pela Frente al Nusra

O Estado de S. Paulo,

30 de abril de 2014 | 11h06

BEIRUTE - Ativistas sírios afirmaram nesta quarta-feira, 30, que o número de número de mortos em um duplo atentado cometido terça-feira 29 subiu para pelo menos 100. Os ataques ocorreram com carros-bomba em um bairro de maioria alauita, do presidente da Síria, Bashar Assad, na cidade de Homs.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, entre os mortos há 79 civis, alguns deles menores de idade, e 21 milicianos pró-regime.

Até agora, as autoridades confirmaram 42 mortos e 111 feridos no ataque, que foi reivindicado nesta quarta pela Frente al Nusra, braço da Al-Qaeda na Síria.

Bombardeio. Nesta quarta, pelo menos 18 pessoas morreram, entre elas dez menores, e várias ficaram feridas em um bombardeio contra uma escola de Alepo, informou o Observatório.

Aviões militares atacaram o bairro de Al Ansari Oriental, onde fica o colégio Ain Yalut. Um vídeo divulgado por ativistas da oposição síria mostrou imagens de destroços na escola e equipes de resgate trabalhando no local.

As imagens mostram um corredor da escola, com paredes decoradas com personagens da Disney e com o chão coberto de mobília escolar e sangue. Um integrante das equipes de resgate explicou no vídeo que por volta das 8h45 locais (2h45 de Brasília) os aviões atacaram um dos edifícios do colégio e dez minutos depois alcançaram outro dos blocos.

O Observatório acrescentou que helicópteros do Exército lançaram barris de explosivos contra áreas do distrito de Hanano, também em Alepo./ EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.