Ahmad Al-Rubaye/AFP
Ahmad Al-Rubaye/AFP

Atentados ligados à Al-Qaeda matam membros do exército governamental da Síria

Dois ataques foram registrados no domingo na zona desmilitarizada entre Hama e Latakia, no norte do país

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2019 | 17h50

HAMA, SÍRIA - Ao menos 33 membros do exército governamental da Síria e de aliados foram mortos neste domingo, 3, em dois ataques promovidos pela organização terrorista Al-Qaeda. O atentado aconteceu na zona desmilitarizada entre as províncias de Hama e Latakia, no norte do país, de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Braço da Al-Qaeda, a organização Ansar al Tauhid executou o ataque de madrugada, em Al Masasna, no norte de Hama, que fica dentro do cordão de securidade negociado entre Rússia e Turquia, para separar as forças sírias de grupos rebeldes jihadistas. Foram registradas 27 mortes nesse primeiro atentado.

A Organização pela Libertação do Levante, também filiada à Al-Qaeda, foi responsável pelo segundo ataque desse domingo. Seis membros das forças de segurança militar ligadas à Damasco morreram no enfrentamento, que aconteceu na zona noroeste de Latakia. De acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos, combatentes dos dois lados saíram feridos.

As ações terroristas aconteceram, de acordo com uma fonte ouvida pela EFE, após ataques de artilharia promovidos pelo exército governamental contra as regiões de Hama e Idib, ambas controladas por grupos armados opositores.

A agência estatal síria, a Sana, informou que, também nesse domingo, o exército lançou "uma série de ataques de artilharia e mísseis contra as sedes dos grupos terroristas", em diferentes pontos de Hama, que resultaram em perdas materiais e humanas, mas sem especificar./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.