Atentados matam 16 e ferem mais de 50 no Iraque

Uma série de explosões de bombas em Bagdá e no entorno da capital do Iraque mataram 16 pessoas e feriram mais de 50 na manhã de hoje, segundo funcionários do setor de segurança. Pelo menos nove dos mortos eram policiais, informou a polícia iraquiana.

AE, Agência Estado

22 de maio de 2011 | 17h13

O ataque mais mortífero ocorreu quando sete policiais iraquianos foram mortos, além de três civis; outros 10 policiais ficaram feridos, em um atentado suicida na cidade de Taji, 25 quilômetros ao norte da capital, informou uma fonte do Ministério do Interior, pedindo anonimato. Os agressores primeiro explodiram uma bomba em uma rua quando um comboio de soldados norte-americanos passava. Quando a polícia chegou ao local, detonaram outra bomba, bem mais potente.

"O objetivo dos ataques é enviar uma mensagem clara aos civis: ''se a polícia não pode nem se proteger, como você espera que ela te proteja?''", disse o capitão Maji Amin, da polícia iraquiana. O ataque em Taji foi um dos dez que ocorreram na manhã de hoje. No bairro xiita de Cidade Sadr, um carro-bomba foi detonado, ferindo cinco pessoas e destruindo automóveis que estavam parados perto dali.

Alguns minutos mais tarde, também em Cidade Sadr, outra bomba, essa escondida sob uma pilha de lixo, explodiu, matando uma pessoa e ferindo cinco. No bairro bagdali de Bayaa, cinco explosões ocorreram no intervalo de minutos, matando cinco pessoas, incluindo dois policiais, e ferindo pelo menos 15.

Forças estrangeiras

Também hoje, a missão naval britânica de treinamento no Iraque afirmou que não há mais pessoal militar britânico encarregado de treinamento no país. A informação foi confirmada por um porta-voz do governo de Bagdá à agência de notícias France Presse. O funcionário Ali al-Dabbagh confirmou que as forças britânicas haviam concluído sua missão de treinamento. Questionado sobre se havia mais soldados e forças navais britânicas no Iraque, exercendo outras funções, Dabbagh disse que sim. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaterrorismoIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.