Atentados matam 26 curdos e chefe de polícia no Iraque

Uma série de três atentados suicidas matou 26 forças de segurança curdas ao norte de Bagdá neste domingo. Uma bomba na estrada também matou o chefe de polícia na província de Anbar. O grupo extremista Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques, mas a autenticidade da declaração ainda não pode ser verificada independentemente.

AE, Estadão Conteúdo

12 de outubro de 2014 | 09h53

Os atentados suicidas aconteceram em Qara Tappah, na província de Diyala, segundo informações de um oficial das forças de segurança. O primeiro homem-bomba detonou os explosivos no portão de um posto de segurança, que também é a sede do escritório de um partido político. Minutos depois, outros dois homens-bomba arremessaram carros cheios de explosivos contra o posto de segurança, provocando fortes danos. Ao menos 60 pessoas se feriram nos ataques.

O Estado Islâmico assumiu a autoria horas depois. O grupo invadiu cidades na província de Diyala e tem entrado em conflito com as forças curdas da região. Funcionários dos hospitais confirmaram as mortes.

No ataque de Anbar, o general de brigada Ahmed al-Dulaimi foi morto enquanto viajava em um comboio ao norte da capital da província Ramadi. A área havia sido liberada pelas forças de segurança iraquianas um dia antes, segundo o vereador de Anbar Faleh al-Issawi. Não está claro se houve outras mortes ou feridos.

O Ministério do Interior do Iraque confirmou a morte do general de brigada, o classificou como um herói e reconheceu seu papel na reorganização da força policial da província. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.