Atentados matam mais de 80 no Paquistão; Taleban diz ser vingança

Ataque tinha como alvo academia de guarda de fronteiras; pelo menos 117 pessoas ficaram feridas

Efe,

13 de maio de 2011 | 02h19

 

ISLAMABAD - Pelo menos 88 pessoas - em sua maioria recrutas - morreram e 117 ficaram feridas nesta sexta-feira, 13, em um duplo atentado suicida contra uma academia da guarda de fronteiras paquistanesa na província de Khyber-Pakhtunkhwa, informou uma fonte policial. Dos feridos, cerda de 40 se encontram em estado crítico.

Veja também:

Veja também:

blog Adriana Carranca: Taleban recruta crianças no Paquistão

som Estadão ESPN - Embaixador do Brasil no Paquistão fala sobre atentado

especialAs franquias da Al-Qaeda

especialA trajetória de Osama bin Laden

especialPasso a passo da caçada a Bin Laden

 

 
O atentado aconteceu na cidade de Charsada, a duas horas de carro da capital Islamabad, quando recrutas da guarda de fronteiras (Frontier Corps) voltavam de ônibus para suas casas após vários dias de treinamento, segundo uma das fontes.

 

 

O movimento taleban paquistanês (TTP, na sigla em urdu) reivindicou o duplo atentado suicida. "É uma vingança pela morte de Osama bin Laden", assegurou à emissora um porta-voz do TTP, identificado como Ehsanulá Ehsan, que ameaçou dar sequência aos "ataques contra as forças de segurança".  

 

"Não envieis vossas crianças às forças de segurança", advertiu o porta-voz talibã na mensagem lida a "Dunya", segundo disseram fontes do escritório dessa emissora na cidade de Peshawar.

 

Cerca de 15 corpos ficaram totalmente carbonizados, de acordo com a polícia, que situou em 117 o número de feridos e indicou que 20 veículos foram destruídos pelas explosões.

 

Este é o primeiro grande ataque desde a morte de Osama bin Laden, em uma operação americana em 2 de maio, após o que o movimento talibã paquistanês (TTP) prometeu vingar sua morte.

 

(Matéria atualizada às 8h30)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.